“CONCORDO, CLARO, QUE UMA BOA ARTE MUDA AS COISAS”. A ESCRITA LITERÁRIA DE CHINUA ACHEBE E A CRÍTICA A COLONIALIDADE.

Autores

  • Cláudia Mortari Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Katarina Kristie Martins Lopes Gabilan Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2017.143682

Palavras-chave:

Literatura e história, Estudos africanos, Decolonialidade, Pós-colonialidade.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar algumas reflexões iniciais que se debruçam sobre a escrita do nigeriano Chinua Achebe (1930-2013), discutindo o papel social e político da sua produção literária bem como a possibilidade de, a partir da análise desta, apontar evidências acerca da percepção do escritor em relação a eventos históricos ocorridos na sociedade nigeriana. Tendo como documento de análise as obras O Mundo se Despedaça (Things fall apart, publicado em 1958), A Flecha e Deus (Arrow of God publicado em 1964), entrevistas e ensaios do autor, partimos do pressuposto que sua escrita literária, enquanto arcabouço narrativo e documento histórico, é informada por suas visões e sentidos da história, pois ele e suas obras são acontecimentos datados historicamente e expressam, portanto, o seu tempo e o seu lugar. Em um diálogo entre intelectuais dos campos teóricos pós-coloniais e decoloniais, nossa proposta é pensar a contribuição de sua escrita literária articulada com a ideia de “equilíbrio das histórias” – termo cunhado por ele em suas entrevistas. Para o autor, todos possuímos o direito de contar nossas próprias histórias a partir das nossas vivências, contrapondo-se à herança da colonialidade que difunde a ideia da existência de uma história única – a partir do ponto de vista eurocentrado. Tal posicionamento, de questionamento do saber epistêmico ocidental/colonial e o descobrimento e valorização das teorias e epistemologias do Sul que pensam com e a partir de corpos e lugares étnico-raciais/sexuais subalternizados, abre possibilidades para o surgimento de paradigmas outros. Dessa forma, ser possível identificar não apenas a perspectiva de um sujeito da história, como também a forma como ele constrói uma referência ao passado partindo do presente. Em uma relação com a literatura a partir das categorias próprias de Achebe, propomos pensar uma lógica de reflexão que se desloque da ótica da colonialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Mortari, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em História. Docente do curso de graduação e pós-graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc/Faed). Ministra na graduação a disciplina de História da África e coordena o Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais – AYA. Desenvolve projetos de pesquisa e de extensão na área de História e nas temáticas dos estudos africanos e da diáspora.

Katarina Kristie Martins Lopes Gabilan, Universidade do Estado de Santa Catarina

Graduanda da 5ª fase do Curso de História na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC/FAED). Bolsista do Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais – AYA, vinculada a pesquisa “Modos de Ser, Ver e Viver: o mundo Igbo a partir da escrita de Chinua Achebe (África Ocidental, século XX)”e ao Programa de Extensão Histórias Africanas e Indígenas: olhares e práticas na educação, 2017

Downloads

Publicado

2017-12-21

Como Citar

Mortari, C., & Gabilan, K. K. M. L. (2017). “CONCORDO, CLARO, QUE UMA BOA ARTE MUDA AS COISAS”. A ESCRITA LITERÁRIA DE CHINUA ACHEBE E A CRÍTICA A COLONIALIDADE. Sankofa (São Paulo), 10(20), 56-73. https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2017.143682

Edição

Seção

Artigos