Trânsito como fator estressor para os trabalhadores

Autores

  • Talita Zerbini Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Adriana de Almeida Campos Ridolfi Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Ana Cláudia Camargo Gonçalves da Silva Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Lys Esther Rocha Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v14i2p77-83

Palavras-chave:

Transportes/classificação, Psicologia, Estresse psicológico.

Resumo

Contexto: Segundo dados do IBGE (2007), São Paulo tem cerca de 5 milhões de veículos e os

congestionamentos de trânsito constituem fatos corriqueiros. O stress afeta o motorista em três níveis diferentes: afetivo, cognitivo e físico. Objetivo: Verificar se os indivíduos que necessitam de maior atenção no trânsito (motoristas) ficam mais estressados do que aqueles que enfrentam o trânsito passivamente como passageiros. Metodologia: Estudo Observacional Transversal com 39 (3,9%) dos trabalhadores ativos de uma Empresa de Sistemas Automotivos da Grande São Paulo com 1000 funcionários. Os dados foram colhidos por meio de dois questionários, sendo o primeiro relacionado a questões gerais sobre o trânsito e o segundo, a aplicação da LSS (lista de sintomas de stress). Resultados e discussão: A maioria dos funcionários é do sexo feminino, tem idade superior a 30 anos e ganha entre R$ 415,0 e R$1.245,0 por mês. A maioria utiliza apenas um meio de transporte para se deslocar para o trabalho, o ônibus fretado. Dentre os entrevistados, os que utilizavam este meio eram os que despendiam menor tempo total no deslocamento para o trabalho. A maioria dos funcionários da área administrativa, de maior faixa salarial, atribuiu uma nota superior a 5 (em escala de 0 a 10) ao stress causado pelo trânsito, em contraste aos da área de produção. Conclusão: Na amostra estudada o tempo de deslocamento para o trabalho depende primordialmente do tipo de transporte utilizado pelo trabalhador, sendo o carro o principal responsável pelo maior stress dos funcionários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Zerbini, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Médica Preceptora de Medicina Legal do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica, Medicina Social e do
Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Adriana de Almeida Campos Ridolfi, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Médica Preceptora de Medicina Legal do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica, Medicina Social e do
Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Ana Cláudia Camargo Gonçalves da Silva, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Médica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Lys Esther Rocha, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Professora Doutora de Medicina do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Downloads

Publicado

2009-12-07

Como Citar

Zerbini, T., Ridolfi, A. de A. C., Silva, A. C. C. G. da, & Rocha, L. E. (2009). Trânsito como fator estressor para os trabalhadores. Saúde, Ética & Justiça (e-ISSN 2317-2770), 14(2), 77-83. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v14i2p77-83

Edição

Seção

Artigo