Abortifacientes: efeitos tóxicos e riscos

Autores

  • Marli Roehsig Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.
  • Simone Gomes Sant’Anna Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.
  • Kátia Regina Rosin Delphino Salles Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.
  • Marcelo Filonzi dos Santos Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.
  • Mauricio Yonamine Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v16i1p1-8

Palavras-chave:

Abortivos/toxicidade, Abortivos/efeitos adversos, Saúde da mulher, Toxicidade.

Resumo

A prática clandestina do aborto pode provocar diversos efeitos prejudiciais à saúde da mulher. Em muitos casos, a situação política, social e religiosa do Brasil favorece a automedicação e a procura por preparações caseiras e populares para induzir o aborto. Atualmente, medicamentos e plantas são alguns dos

métodos empregados para interromper a gestação. Observa-se uma diversificação na legislação do aborto entre os países, com tendência à menor restrição na interrupção da gravidez em países desenvolvidos. É fundamental o envolvimento da iniciativa pública em programas de educação e planejamento familiar da população para que esta esteja capacitada a avaliar suas escolhas e os riscos aos quais se expõe. O objetivo do presente trabalho foi realizar uma revisão bibliográfica e análise crítica dos aspectos toxicológicos de fármacos e de plantas utilizados como abortifacientes, considerando também os riscos associados quando não há um acompanhamento médico efetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marli Roehsig, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Simone Gomes Sant’Anna, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Kátia Regina Rosin Delphino Salles, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Marcelo Filonzi dos Santos, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Mauricio Yonamine, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo FCF/USP.

Downloads

Publicado

2011-06-07

Como Citar

Roehsig, M., Sant’Anna, S. G., Salles, K. R. R. D., Santos, M. F. dos, & Yonamine, M. (2011). Abortifacientes: efeitos tóxicos e riscos. Saúde, Ética & Justiça (e-ISSN 2317-2770), 16(1), 1-8. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v16i1p1-8

Edição

Seção

Artigo