Perfil epidemiológico de crianças envolvidas em bullying

Autores

  • Camila Girardi Fachin Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Carmen Silvia Molleis Galego Miziara Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v17i1p30-37

Palavras-chave:

Bullying/psicologia, Criança, Perfi l de saúde, Psicologia da criança/educação, Comportamento infantil/psicologia.

Resumo

O

bullying é caracterizado por ações negativas (agressões físicas, verbais ou psicológicas) sofridas por um estudante, repetidamente ao longo do tempo, que têm como agente um ou mais estudantes, devendo haver um desbalanço de forças entre o agressor e a vítima. São inúmeras as consequências desta prática, tanto para a vítima como para o agressor, como dificuldade de aprendizado, mau aproveitamento escolar, diminuição da autoestima, ideações suicidas e, até, tentativas de suicídio. Tem-se observado um aumento na incidência do fenômeno bullying, em diversos países nas últimas décadas, inclusive em nosso país. O objetivo deste estudo é mapear a incidência do bullying relatada na literatura e traçar um perfil epidemiológico, tanto do agressor quanto da vítima. A prevalência encontrada de bullying nos diversos países e no Brasil atinge níveis alarmantes. Nos últimos 10 anos, a prevalência de bullying nos Estados Unidos tem se mantido relativamente estável, ao redor de 40%. Prevalência semelhante é observada em países europeus e latino-americanos, como a Colômbia. No Brasil, a prevalência de bullying encontrada é um pouco abaixo da vista na literatura, porém observa-se aumento da prevalência entre 2005 e 2011, com uma tendência em se atingir os patamares observados na literatura estrangeira. Em relação ao sexo do agressor, a maioria dos estudos demonstra que os meninos estão mais envolvidos com o bullying físico e as meninas, com o bullying verbal ou indireto. Quanto às características psicológicas, a típica vítima é aquela com pouca habilidade de socialização, tímida, reservada e com baixa autoestima. O agressor tem em sua personalidade traços de desrespeito e agressividade, e possui uma tendência a atos delituosos na vida adulta. As consequências do bullying têm um potencial devastador na vida jovem e adulta destes indivíduos. Tanto vítimas quanto agressores precisam ser identificados e amparados com políticas específicas e eficazes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Girardi Fachin, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Pós-graduanda lato sensu do curso de Especialização em Medicina Legal e Perícias Médicas da Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Carmen Silvia Molleis Galego Miziara, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Professora do curso de Especialização em Medicina Legal e Perícias Médicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.

Downloads

Publicado

2012-06-07

Como Citar

Fachin, C. G., & Miziara, C. S. M. G. (2012). Perfil epidemiológico de crianças envolvidas em bullying. Saúde, Ética & Justiça (e-ISSN 2317-2770), 17(1), 30-37. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v17i1p30-37

Edição

Seção

Artigo