Correlação entre exposição ao óxido de etileno e câncer de próstata: doença ocupacional?

Autores

  • Ricardo Ribeiro Peixinho Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
  • Carmen Silvia M. G. Miziara Departamento de Medicina Legal, Ética Médica, Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v18i2p167-172

Palavras-chave:

Neoplasias da próstata, /epidemiologia, Fatores de risco, Óxido de etileno, Exposição ocupacional, Câncer ocupacional, Riscos ocupacionais.

Resumo

Estudos publicados na literatura médica tentam demonstrar a relação entre a exposição ocupacional a agentes químicos e o aumento de incidência de câncer de próstata. A doença é de etiologia multifatorial, envolvendo fatores genéticos, ambientais, a idade, a etnia, a história familiar e a dieta. O objetivo desse estudo foi verificar a possibilidade da associação entre a exposição laboral ao óxido de etileno e o desenvolvimento de câncer de próstata para o estabelecimento do nexo causal ou da concausa por meio de revisão de literatura nas principais bases de dados disponíveis dos últimos 20 anos. A conclusão desse estudo foi que ainda não existem evidências consistentes de que qualquer agente químico tenha influência no aparecimento do câncer de próstata. Consequentemente, até a presente data, não há como se atribuir ao óxido de etileno nexo de causalidade ou de concausalidade para o desenvolvimento dessa doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Ribeiro Peixinho, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Aluno da pós-graduação do curso de Perícias Médicas e Medicina Legal da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Downloads

Publicado

2013-12-14

Como Citar

Peixinho, R. R., & Miziara, C. S. M. G. (2013). Correlação entre exposição ao óxido de etileno e câncer de próstata: doença ocupacional?. Saúde, Ética & Justiça (e-ISSN 2317-2770), 18(2), 167-172. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v18i2p167-172

Edição

Seção

Relato de caso