Telenovela e Política: perspectivas e modos de abordagem

Autores

  • Angela Cristina Salgueiro Marques Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.102506

Palavras-chave:

telenovela, política, debate público, dramas privados, conduta moral.

Resumo

O artigo pretende apresentar, de maneira não exaustiva, quatro perspectivas teórico-metodológicas para o estudo das relações entre telenovela e política, ressaltando situações em que a narrativa ficcional: a) é utilizada como constituidora do Cenário de Representação da Política; b) é utilizada para dar forma a escândalos políticos; c) traz temas polêmicos e acontecimentos da política cotidiana e institucional, gerando um debate público ampliado; d) oferece valores e padrões de conduta moral que permitem aos telespectadores posicionar seus dramas pessoais cotidianos em termos que fazem sentido coletivamente. Ao final propõe-se avaliar como a narrativa ficcional da telenovela apresenta-se, sobretudo, como universo imagético e argumentativo com potência política de promover desidentificação e revelar cenas polêmicas de enunciação.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Cristina Salgueiro Marques, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Comunicação Social pela UFMG. Pós-Doutora em Comunicação pela Université Stendhal - Grenoble 3. Professora do Programa de Pós-graduação dessa mesma instituição. Pesquisadora bolsista do CNPq.

Referências

BARKER, C. “Audiências, identidad y debates sobre programas televisivos”. In: ____. Televisión, globalización e identidades culturales. Barcelona: Piados, 2003.

BORELLI, S. H. S. “Telenovelas brasileiras – Territórios de ficcionalidade: universalidades e segmentação”. In: DOWBOR, L.; IANNI, O.; RESENDE, P.; SILVA, H. (orgs). Desafios da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2000, pp.127-141.

GUAZINA, L. Ficção Televisiva e política: um estudo sobre a telenovela Explode Coração. Comunicação & Política, v.4, n.2, 1997, p.151-175.

HABERMAS, J. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Vol II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HAMBURGER, E. “Diluindo fronteiras: a televisão e as novelas no cotidiano.” In: SCWARCS, L. M. (org.). História da Vida Privada no Brasil, v.4: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, pp.439-487.

_____. “Política e novela”. In: BUCCI, E. (org.). A TV aos 50. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000, pp.25-47.

_____. Telenovelas e interpretação do Brasil, Lua Nova, n.82, 2011, p.61-86.

_____. “Novela, política e intimidade: a construção da realidade”. In: O Brasil Antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005, p.148-170.

HUSSAK, P. Rancière: a política das imagens. Princípios, v.19, n.32, 2012, p.95-107.

_____. Produção estética, emancipação e imagem em Jacques Rancière. In: SIMÃO, L. V. (Org.). Horizontes da arte: práticas artísticas em devir. Rio de Janeiro: NAU, 2011, p. 92-104.

LEAL, O. F. A leitura social da novela das oito. Petrópolis: Vozes,1986.

LIMA, V. "Televisão e poder: a hipótese do cenário de representação da política – CRP", Comunicação & Política, v.1, n.1, 1994, p.5-22.

_____. "Televisão e política: hipótese sobre a eleição presidencial de 1989", Comunicação & Política, n.11, 1990, p.29-54.

MAIA, R. C. M. (2004). “Dos dilemas da visibilidade midiática para a deliberação política”. In: Mídia.br, livro do XII compós. Porto Alegre: Ed. Sulina, pp.9-38.

MARQUES, Â. “Ficção, Cotidiano e Narrativa: entre o visto e o vivido”. In: Estudos de Comunicação, volume 8, nº 15 jan/abr 2007.

_____; MAIA, R. “O apelo emocional e a mobilização para a deliberação: o vínculo homoerótico em telenovelas”. In: Contemporânea – Revista de Comunicação e Cultura/Journal of Communications and Culture, v.1, n.1, pp.83-114, dezembro de 2003.

MARQUES, Â.; ROCHA, S. “A produção de sentido nos contextos de recepção: em foco o grupo focal”. In: Fronteiras, vol. VIII, n. 1, jan./abr. 2006, pp.38-53.

MARTÍN-BARBERO, J. “Latin America: Cultures in the Communication media”. In: Journal of communication, v.43, n.2, spring 1993, p.18-30.

_____. De los medios à las mediaciones. México, Ed. G.Gili, 1987.

MATTELART, A. e M. O Carnaval das Imagens: a ficção na TV. São Paulo: Brasiliense, 1989.

MOTTER, M. de L. “Telenovela: arte do cotidiano”. In: Comunicação & Educação, SP, v.13, set./dez, 1998, p.89-102.

PORTO, M. “Telenovelas e política: o CR-P da eleição presidencial de 1994”. In: Comunicação e Política, v.1, n.3, 1994a, p.55-76.

_____. “Idéias e fatos: telenovelas e imaginário político no Brasil”. In: Cultura Vozes, n.6, nov/dez 1994b, pp.83-93.

_____. “Telenovelas e Controvérsias Políticas: interpretações da audiência sobre Terra Nostra.” In: FRANÇA, V. V. et al. (orgs.). Estudos de Comunicação. Livro do XI Compós. Porto Alegre: Brasil, 2003, pp.104-124.

RANCIÈRE, J. A Partilha do Sensível. São Paulo : Ed. 34, 2000.

_____. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

_____. Política de Pedro Costa. Cem Mil Cigarros – os filmes de Pedro Costa. Ed. Ricardo Matos Cabo, Lisboa: Orfeu Negro, 2009, p.53-63.

_____. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RONDELLI, M. E. “Produção Ficcional Televisiva: artefato da construção do real”. In: Comunicação e Política, ano XII, n.21, 1992, p.45-61.

_____. “Media, representações sociais da violência da criminalidade e ações políticas”. In: Comunicação & Política, 1995, p. 97-108.

RONSINI, V. A crença no mérito e a desigualdade. A recepção da telenovela do horário nobre. Porto Alegre: Sulina, 2012.

TILBURG, J. L. G. “Texto e contexto: o estereótipo na telenovela”. In: Cultura Vozes, v.69, n.7, set 1975, p.501-517.

VINK, N. “A novela como narrativa sobre opressão e mudança”. In: Revista Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, n.4, jan/dez 1989, p.7-28.

WAISBORDD, S. Contando Historias de Corrupção: Narrativa de Telenovela e Moralidade Populista no caso Collorgate. Comunicação & Politica (May-August) 3, 2: 94-110, 1996.

WEBER, M. H. “As eleições presidenciais de 1989 nas telenovelas da Globo: pedagogias de despolitização e desqualificação da política nacional”. In: _____. Comunicação e espetáculos da política. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000.

_____ e SOUZA, C. J. de. "Dramatizações da política na telenovela brasileira". In: GOMES, I. (org.). Televisão e realidade. Salvador: Edufba, 2009, p.141-174.

XAVIER, I. “Melodrama, ou a sedução da moral negociada”. In: Novos Estudos Cebrap, n.57, jul 2000, p.81-90.

Downloads

Publicado

2015-12-18

Como Citar

Marques, A. C. S. (2015). Telenovela e Política: perspectivas e modos de abordagem. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 42(44), 318-338. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.102506