Narrativas e fronteiras em duas jornadas latino-americanas

  • Alexandre Silva Guerreiro Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Comunicação
Palavras-chave: narrativa, fronteira, jornada do herói, narconarrativas

Resumo

A transposição da fronteira entre México e EUA ocupa um lugar comum nos filmes baseados em jornadas de heróis latinos em busca de uma vida melhor. A partir dos limites da representação dessa jornada, propomos uma discussão, com ênfase na análise fílmica, de duas obras latino-americanas, a saber, Maria Full of Grace e La Jaula de Oro, como exemplares da travessia obrigatória almejada pelos seus protagonistas.  Interessa-nos observar o modo como a narcofronteira é apresentada nesses dois filmes, bem como de que maneira a narrativa se constrói em torno dessa fronteira e a forma como uma certa repetição inscreve a transposição da fronteira como elemento fundamental às narconarrativas de fronteiras latino-americanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Silva Guerreiro, Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Doutorando em Comunicação no Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal Fluminense.  Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (2007).  Bacharel em Comunicação Social – Cinema pela Universidade Federal Flumiense e Bacharel e Licenciado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor docente I na Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro há 16 anos.  Produtor cultural e cineasta.

Referências

Referências Bibliográficas

ASTORGA, L. “Notas críticas. Corridos de traficantes y censura”. Región y sociedad, México, v. 17, n. 32, 2005.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Martin Claret, 2011.

BADOS-CIRIA, C. “La Frontera en el cine mexicano más actual. El Jardín del Edén: culturas locales vs cultura global”. Arizona Journal of Hispanic Cult Studies, v.1, EUA, 1997. Disponível em: www.jstor.org/stable/20641388?seq=1#page_scan_tab_contents

Acesso em 10 jan. 2014.

BARROS, D.L.P., FIORIN, J.L. (orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: em torno de Bakhtin. São Paulo: EDUSP, 2003.

BARTHES, R. et al. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRAGANÇA, M. “A narcocultura na mídia: notas sobre um narcoimaginário latino-americano”. Significação, São Paulo, v. 37, p. 93-109, 2012.

CAMPBELL, J. O Herói das Mil Faces. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.

FELTRAN, G. “Trabalhadores e bandidos: categorias de nomeação, significados políticos”. Temáticas, Campinas, v.15, p. 11-50, 2007. Disponível em: http://neip.info/novo/wp-content/uploads/2015/04/anexo-2-temticas.pdf. Acesso em 15/02/2015.

FRANÇA, A. “Paisagens Fronteiriças no Cinema Contemporâneo”. ALCEU, Rio de janeiro, v.2, n.4, 2002. Disponível em: http://revistaalceu.com.puc-rio.br/media/alceu_n4_Franca.pdf Acesso em 2/03/2015

GAUDREAULT, A., JOST, F. A Narrativa Cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

GENETTE, G. Discurso da Narrativa. Lisboa: Vega, 1995.

GREIMAS, A.J. Semântica Estrutural. São Paulo: Cultrix, 1976.

MATHHAI, Horst. “El Hombre y Sus Fronteras. Uma visión Filosófica”. Estudios sobre las Culturas Contemporaneas, México, vol 4, n.11, p. 37-58, 1991.

PALLOTTINI, R. Introdução à Dramaturgia. São Paulo: Editora Ática, 1988.

PROPP, V. Morfologia do Conto Maravilhoso. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1984.

RICOEUR, P. Tempo e Narrativa. São Paulo: Papirus, 1995.

RINCÓN, O. “Todos temos um pouco do tráfico dentro de nós: um ensaio sobre o narcotráfico/cultura/novela como porta de entrada para a modernidade”. Matrizes. São Paulo, ano 7, n. 2, p. 193-219, 2013. Disponível em: http://www.matrizes.usp.br/index.php/matrizes/article/viewFile/479/pdf Acesso em 10/01/2015.

RODRIGUES, T. “Drogas e liberação: enunciadores insuportáveis”. Verve, São Paulo, v. 6, n.1, p. 129-156, 2004.

SCHLENKER, A. “Narcotráfico, narcocorridos y narconovelas: la economía política del sicariato y su representación sonoro-visual”. Revista Latinoamericana de Seguridad Ciudadana. FLACSO, Equador, n. 8, set 2009.

TELLES, V. “Nas dobras do legal e ilegal: ilegalismos e jogos de poder”. In A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010.

TODOROV, T. A Gramática do Decameron. São Paulo: Perspectiva, 1982.

VOGLER, C. A Jornada do Escritor: estruturas míticas para escritores. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

VOLLI, U. Manual de Semiótica. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

Referências Audiovisuais

LA JAULA de oro (La Jaula de Ouro). Diego Quemada-Diez, México-Espanha, 2013.

MARIA full of grace (Maria cheia de graça). Joshua Marston, Colômbia-EUA, 2004.

SHANE (Os brutos também ama). George Stevens, EUA,

THE DAY after tomorrow (O dia depois de amanhã). Ronald Emmerich, EUA, 2004.

Publicado
2015-12-18
Como Citar
Guerreiro, A. (2015). Narrativas e fronteiras em duas jornadas latino-americanas. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 42(44), 254-270. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.103026