Cenas em jogo: a exacerbação da ambiguidade

  • Renato Tardivo Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Palavras-chave: Jogo de cena, unheimlich, fenomenologia

Resumo

O filme Jogo de cena (2007) habita a linha tênue entre ficção e não ficção e inaugura novas possibilidades contidas na linguagem documentário. Assim, o filme propõe uma discussão sobre a sua própria linguagem. Este artigo apresenta uma leitura de Jogo de cena e discute a oposição entre documentário e ficção, atentando-se para a presença do unheimlich descrito por Freud (1919/2010) e traduzido como aquilo que é estranho, não familiar, inquietante. Ainda reflete, a partir do documentário, a qualidade dos vínculos  banalizados que estabelecemos na contemporaneidade – o trânsito banalizado do real ao artifício. Jogo de cena inverte esse trânsito, de modo a convocar o espectador a se implicar nas relações que estabelece. Desse modo, se podemos considerar toda ficção é um documentário, analogamente, todo documentário é uma ficção, pois as possibilidades de apreensão do real são um mistério.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Tardivo, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Psicanalista e escritor. Mestre e doutor em Psicologia Social (USP), trabalha na interface do cinema e da literatura com a Psicologia.

Referências

BERNARDET, J.-C. “Jogo de cena”. In: OHATA, M. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

COUTINHO, E. Encontros – Eduardo Coutinho. (Felipe Bragança – Org.). Azougue Editorial: Rio de Janeiro, 2009.

______. “O olhar no documentário: carta-depoimento para Paulo Paranaguá”. In: OHATA, M. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013a.

______. “O cinema documentário e a escuta sensível da alteridade”. In: OHATA, M. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013b.

COUTO, J. G. “Biografias Idealizadas”. Bravo! São Paulo, v. 172, p. 76, dez. 2011.

FRAYZE-PEREIRA, J. A. Arte, dor – inquietudes entre estética e psicanálise (2ª. ed. revista e ampliada). Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

FREUD, S. (1907). El delirio y los sueños em la “Gradiva” de W. Jensen. Buenos Aires: Amorrortu, 2007. (Sigmund Freud: obras completas, v. 9).

______. (1919). O inquietante. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Sigmund Freud: obras completas, v. 14).

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2009.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2012.

RAHE, N. “Eu sou um ator” (entrevista com Eduardo Coutinho). Bravo! São Paulo, v. 172, p. 72-75, dez. 2011.

SAFATLE, V. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

TARDIVO, R. Jogo de Cena e As Canções. Observatório da Imprensa, ed. 677, 17 jan. 2012. <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed677_jogo_de_cena_e_as_cancoes> Acesso em 25 jan. 2016.

XAVIER, I. “Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna”. Comunicação e informação. Goiânia, v. 7, n. 2, p. 180-187, 2004.

______. “O jogo de cena e as outras cenas”. In: OHATA, M. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

Referências audiovisuais

AS CANÇÕES. Direção de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Vídeo Filmes, 2011. 1 DVD (90 min), 2011.

JOGO de cena. Direção de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Vídeo Filmes, 2007. 1 DVD (107 min).

Links

CHICO BUARQUE. <http://www.chicobuarque.com.br> Acesso em 25 jan. 2016.

NÓS DO MORRO. <http://www.nosdomorro.com.br> Acesso em 25 jan. 2016.

Publicado
2016-12-21
Como Citar
Tardivo, R. (2016). Cenas em jogo: a exacerbação da ambiguidade. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(46), 126-144. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.118151
Seção
Artigos