O tempo da costura: afetos, subversão e intimidade em Call the midwife

Autores

  • Karina Gomes Barbosa Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.122143

Palavras-chave:

Seriado, afetos, mulheres, feminismo, intimidade.

Resumo

Este artigo analisa uma sequência do seriado britânico Call the midwife por meio da análise fílmica, sob o aporte dos estudos feministas e dos estudos culturais. Debruçamo-nos sobre o labor em torno da costura feminina realizada no confinamento do lar, em que se cose uma colcha, para discutir afetos, silêncios, tempo, intimidade e subversão. A série tem como tema central a maternidade e aborda o trabalho de um grupo de parteiras em uma região pobre da Inglaterra no fim dos anos 1950. Ao mesmo tempo que promove rupturas em relação a representações hegemônicas da casa e da costura, se alinha a visões contemporâneas mitificadoras da maternidade e do “ser mãe”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Gomes Barbosa, Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop)

Professora do curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Temporalidades da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Referências

AHMED, S. “Happy objects”. In: GREGG, M.; SEIGWORTH, G. J. (Org.). The affect theory reader. Durham: Duke University Press, 2010. p. 2951.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1973.

AUMONT, J. A análise do filme. Tradução Marcelo Félix. Lisboa: Texto & Grafia, 2004.

AUMONT, J. et al. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2012.

BACHELARD, G. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

CARDWELL, S. “Is quality television any good? Generic distinctions, evaluations and the troubling matter of critical judgement”. In: MCCABE, J.; AKASS, K. (Org.).

Quality TV: contemporary American television and beyond. New York: I.B. Tauris, 2007, p. 19-34

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor – estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alnso Muñoz. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

FRASER, N. Fortunes of feminism: from state-managed capitalism to neoliberal crisis. London/Brooklin: Verso, 2013.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1993.

GIL, G. “A linha e o linho”. In: Extra. Nova York: WEA Discos, 1983.

GOLDIN, N. “Introduction”. In: CAMPANY, D (Org.) The cinematic. Documents of contemporary art. London/Cambridge: Whitechapel/The MIT Press, 2007, p. 66.

GOMES BARBOSA, K. Encantamentos de corpo e alma: representações do amor de Jane Austen no audiovisual. 2014. 344 f. Tese (Doutorado) – Curso de Comunicação Social, Programa de Pós-graduação da Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

JULLIER, L.; MARIE, M. Lendo as imagens do cinema. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Senac, 2009.

LOPES, D. “Cinema e gênero”. In: MASCARELLO, F. (Org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006. p. 379-394.

______. La historia como fiesta y encuentro. 2016. No prelo.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo, I: neurose. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

NYE, A. Teoria feminista e as filosofias do homem. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1995.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

SHOWALTER, E. “A crítica feminista no território selvagem”. In: HOLANDA, H. B. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 23-57

SILVA, M. V. B. “Origem do drama seriado contemporâneo”. Matrizes, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 127-143, 2015.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

Referências audiovisuais

CALL the midwife. Criação: Heidi Thomas. Great Britain: BBC, 2012-. Série. 44 episódios.

HOW to make an American quilt. Criação: Jocelyn Moorhouse. USA, 1995.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

Barbosa, K. G. (2017). O tempo da costura: afetos, subversão e intimidade em Call the midwife. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 44(47), 219-238. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.122143