Ficção e rastros documentais: cotidiano, espaço e território no cinema de Miguel Gomes

Autores

  • Daniela Zanetti Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)
  • Natália Ramos Universidade Aberta de Lisboa (UAb)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.125130

Palavras-chave:

Cotidiano, espaço, território, cinema.

Resumo

Numa abordagem cultural aplicada ao campo do audiovisual, este trabalho articula os conceitos de cotidiano, espaço e território, em busca de um modo de análise fílmica que problematize a representação de espaços e a produção de territorialidades a partir da compreensão do cotidiano, tomando como objeto de estudo filmes que mesclam ficção e documentário.Objetiva-se, com isso, a identificação de dimensões documentais em narrativas audiovisuais de ficção. Para tanto, tem-se como objeto de aplicação desse modelo de análise a obra do cineasta português Miguel Gomes, em especial seu último filme, As Mil e Uma Noites (2015), composto de três volumes. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Zanetti, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)

Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades e do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Natália Ramos, Universidade Aberta de Lisboa (UAb)

Professora Associada da Universidade Aberta de Lisboa (UAb). Investigadora Responsável pelo Grupo Saúde, Cultura e Desenvolvimento, do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI).

Referências

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2013.

ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FERREIRA, C. O. O cinema português: aproximações à sua história e indisciplinaridade. São Paulo: Alameda, 2013.

GARDIES, R. Compreender o cinema e as imagens. Lisboa: Texto & Grafia, 2007.

GAUDREAULT, A.; JOST, F. A narrativa cinematográfica. Brasília, DF: UnB, 2009.

GOMES, M. As mil e uma noites: o filme. 2014. Disponível em: http://www.as1001noites.com/o-filme/ Acesso em: 23 mar. 2016.

______. Les mille et une nuits. Paris: Makna Presse, 2015. Catálogo de apresentação do filme no Festival Cannes 2015.

HAESBAERT, R. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. 2004. Disponível em: http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf Acesso em: 30 mar. 2017.

______. “O território e a nova desterritorialização do Estado”. In: DIAS, L. C.; FERRARI, M. (Org.). Territorialidades humanas e redes sociais. Florianópolis: Insular, 2013. p. 19-37.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

JIMÉNEZ, J. G. Narrativa audiovisual. Madri: Cátedra, 1996.

LAMAS, S. “Tabu, de Miguel Gomes”. In: PEREIRA, A. C.; CUNHA, T. C. (Org.). Geração invisível: os novos cineastas portugueses.[S.l.]: Livros Labcom Books, 2013.

NICHOLS, B. Representing reality. Bloomington; Indianapolis: Indiana University Press, 1991.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SHOHAT, E.; STAM, R. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

TAYLOR, C. Imaginários sociais modernos. Lisboa: Texto & Grafia, 2010.

VIEIRA, J. De abril à troika. Lisboa: Objectiva, 2014.

Referências audiovisuais

AQUELE querido mês de agosto. Criação: Miguel Gomes. Portugal, 2008.

AS MIL e uma noites. Criação: Miguel Gomes. Portugal, 2015. 3 volumes.

TABU. Criação: Miguel Gomes. Portugal, 2012.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

Zanetti, D., & Ramos, N. (2017). Ficção e rastros documentais: cotidiano, espaço e território no cinema de Miguel Gomes. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 44(47), 90-113. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.125130