Quando o cinema se faz vizinho

Autores

  • Érico Oliveira de Araújo Lima Universidade Federal Fluminense (UFF)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.125849

Palavras-chave:

Vizinhança, comum, ficção, espaço.

Resumo

A partir do filme A vizinhança do tigre (2014), de Affonso Uchoa, este artigo se pergunta sobre algumas formas de vizinhança nas quais pode se engajar o cinema na relação com os espaços e com os sujeitos filmados. De um lado, levantamos uma visada geográfica, que enfatiza os modos pelos quais a escritura fílmica constitui a contiguidade das vidas, das casas, das ruas, dos espaços em cena. De outro, estamos interessados em um gesto de avizinhamento, quando a geografia e os sujeitos filmados interagem com a máquina-cinema segundo um modo de hospitalidade. Como pano de fundo, há aqui uma indagação sobre a possibilidade de os recursos expressivos da arte criarem uma vida em comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érico Oliveira de Araújo Lima, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (PPGCOM-UFF), em regime de cotutela com a Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3.

Referências

BRASIL, A. “A performance: entre o vivido e o imaginado”. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 2011, Porto Alegre. Anais do Encontro Anual da Compós. Porto Alegre: Compós, 2011.

______. “Quando o antecampo se avizinha: duas notas sobre o engajamento em A cidade é uma só?” Negativo, Brasília, DF, v. 1, n. 1, p. 86-99, 2013.

BRASIL, A.; MESQUITA, C. “O meio bebeu o fim, como o mata-borrão bebe a tinta: notas sobre O céu sobre os ombros e Avenida Brasília Formosa”. In: BRANDÃO, A.; JULIANO, D.; LIRA, R. (Orgs.). Políticas dos cinemas latino-americanos contemporâneos. Palhoça: Unisul, 2012. p. 231-248.

GUIMARÃES, C. “O que é uma comunidade de cinema?” Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 44-56, 2015.

______. “Vidas ordinárias, afetos comuns: o espaço urbano e seus personagens no documentário”. In: MARGATO, I.; GOMES, R. C. (Orgs.). Espécies de espaço: territorialidades, literatura, mídia. Belo Horizonte: UFMG, 2008. p. 259-276.

MARQUES, A. C. S. “Três bases estéticas e comunicacionais da política: cenas de dissenso, criação do comum e modos de resistência”. Contracampo, Niterói, v. 26, n. 1, p. 127-145, 2013.

MIGLIORIN, C. “Escritas da cidade em Avenida Brasília Formosa e O céu sobre os ombros”. Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 162-176, 2011.

RANCIÈRE, J. As distâncias do cinema. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

______. Le fil perdu: essais sur la fiction moderne. Paris: La Fabrique éditions, 2014.

______. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996a.

______. “O dissenso”. In: NOVAES, A. (Org.). A crise da razão. Rio de Janeiro: Fundação Nacional de Arte, 1996b. p. 367-382.

ROCHA, E. “Vizinhança”. In: RIBAS, C. et al. (Eds.). Vocabulário político para processos estéticos. 2014. p. 316-319. Disponível em: https://goo.gl/vda2Ey. Acesso em: 17 abr. 2016.

Referências audiovisuais

A VIZINHANÇA do tigre. Direção: Affonso Uchoa. Intérpretes: Maurício Chagas; Aristides de Sousa; Wederson Patrício; Eldo Rodrigues e Adílson Cordeiro. Belo Horizonte: Katásia Filmes, 2014. (94 min.), son., color.

AVENIDA Brasília Formosa. Direção: Gabriel Mascaro. Intérpretes: Cauan Fonseca; Fábio Gomes de Melo; Alexandro José de Oliveira e Débora Leite. Santo Amaro, PE: Plano 9 Produções, 2010. (85 min.), son., color.

MULHER à tarde. Direção: Affonso Uchoa. Intérpretes: Renata Cabral; Luísa Horta e Ana Carolina Oliveira. Belo Horizonte: 88 filmes, 2010. (74 min.), son., color.

O CÉU sobre os ombros. Direção: Sérgio Borges. Intérpretes: Evelyn Barbin; Grace Passô; Murari Krishna; Edjuco Moio e Lwei Bokongo. Belo Horizonte: Teia, 2010. (71 min.), son., color. 35 mm.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

Lima, Érico O. de A. (2017). Quando o cinema se faz vizinho. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 44(47), 51-70. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.125849