A paisagem mental da memória no cinema de Alain Resnais

Autores

  • Isadora Meneses Rodrigues Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.156684

Palavras-chave:

Paisagem mental, Espaço, Tempo, Memória

Resumo

Na primeira fase de sua carreira, Alain Resnais discutiu a falibilidade e criatividade da memória ao ser ativada por processos mentais. Partindo do pressuposto de que o diretor precisou manipular o espaço fílmico para esculpir o tempo dos processos de rememoração no cinema, este artigo pretende examinar as estratégias de espacialização do tempo da memória em L’année dernière à Marienbad (O ano passado em Marienbad, 1961), segundo longametragem de Resnais. À luz do conceito de paisagem mental, a análise sugere que os cenários do filme se desfazem e deixam de ser subservientes a ações que obedecem a cronologias rígidas por meio do contraponto entre som e imagem, da duração dilatada dos planos e da repetição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Meneses Rodrigues, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará. Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará. Tem interesse nas temáticas: comunicação e cultura, cinema, tradução intersemiótica e literatura comparada.

Referências

AGAMBEN, G. Le cinéma de Guy Debord. In: AGAMBEN, G. Image et mémoire: écrits sur l’image, la danse et le cinéma. Paris: Hoëbeke, 1998. p. 65-76.

AUMONT, J. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

AUMONT, J. O filme como representação visual e sonora. In: AUMONT, J. et al. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2012. p. 19-52.

AUMONT, J; MARIE, M. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas: Papirus, 2003.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BAZIN, A. O que é o cinema? São Paulo: Cosac Naify, 2014.

BENAYOUN, R. Alain Resnais: arpenteur de l’imaginaire. Paris: Stock, 1980.

BOUNOURE, G. Alain Resnais. Paris: Seghers, 1962.

BURCH, N. Práxis do cinema. São Paulo: Perspectiva, 1973.

COSGROVE, D.; DANIELS, S. Introduction: iconography and landscape In: COSGROVE, D.; DANIELS, S. (ed.). The iconography of landscape. Cambridge: Cambridge University Press, 1994. p. 1-10.

COSTEIX, É. Alain Resnais: la mémoire de l’éternité. Paris: L´Harmattan, 2013.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, G. Cinema 2: a imagem-tempo. São Paulo: Editora 34, 2018.

DOANE, M. A. A voz do cinema: a articulação entre corpo e espaço. In: XAVIER, I. (org). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2018. p. 371-387.

EISEINSTEIN, S.; PUDOVKIN, V.; ALEXANDROV, G. Declaração sobre o futuro do cinema sonoro. In: EISENSTEIN, S. A forma do filme. Rio de Janeiro: Zahar, 2002. p. 225-227.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2002.

GAUDREAULT, A.; JOST, F. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora UnB, 2009.

SLUSSER, G. E.; RABKIN, E. S. Mindscapes: the geographies of imagined worlds. Carbondale: Illinois University Press, 1989.

GRØNSTAD, A. Slow cinema and the ethics of duration. In: DE LUCA, T.; JORGES, N. B. Slow cinema. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2016. p. 273-284.

HUMPHREY, R. O fluxo da consciência. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

JAMES, W. Princípios de psicologia: o fluxo de consciência. In: JAMES, W. Pragmatismo e outros textos. São Paulo: Abril Cultural, 1979. p. 119-169.

LEFEBVRE, M. Between setting and landscape in the cinema. In: LEFEBVRE, M. Landscape and film. New York: Routledge, 2006. p. 19-59.

LEUTRAT, J. L. L’anneé dernière à Marienbad. London: British Film Institute, 2000.

LOPES, R. G. Mindscapes: poemas de Laura Riding. São Paulo: Iluminuras, 2001.

MACHADO, A. Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

RESNAIS, A. Resnais, Robbe-Grillet e Marienbad. In: RESNAIS, A. et al. Cadernos de cinema 5. Porto: Publicações Dom Quixote, 1969. p. 75-109.

ROBBE-GRILLET, A. Por um novo romance. São Paulo: Documentos, 1969.

ROBBE-GRILLET, A. O Ano passado em Marienbad. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

SACKS, O. O homem que confundiu a sua mulher com um chapéu. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

STAM, R. A literatura através do cinema: realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

SWEET, F. The film narratives of Alain Resnais. Boston: Umi Research Press, 1981.

TARKOVSKI, A. Esculpir o tempo. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

WOOLF, V. Ficção moderna. In: WOOLF, V. O valor do riso e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. p. 106-113.

Referências Audiovisuais

DAS CABINET des Dr. Caligari (O gabinete do Dr. Caligari). Robert Wiene, Polônia, 1920.

HIROSHIMA mon amour (Hiroshima, meu amor). Alain Resnais, França, 1959.

JE t’aime je t’aime (Eu te amo, eu te amo). Alain Resnais, França, 1968.

L’ANNÉE dernière à Marienbad (O ano passado em Marienbad). Alain Resnais, França, 1961.

MURDER! (Assassinato). Alfred Hitchcock, Reino Unido, 1930.

MURIEL ou le temps d’um retour (Muriel ou o tempo de um retorno). Alain Resnais, França, 1963.

THE TRIAL (O processo). Orson Welles, França, 1962.

TOUTE la mémoire du monde (Toda a memória do mundo). Alain Resnais, França, 1956.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

Rodrigues, I. M. (2020). A paisagem mental da memória no cinema de Alain Resnais. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 287-310. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.156684