Teoria dos arquétipos e construção de personagens em filmes e séries

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.159964

Palavras-chave:

Arquétipo, Cinema, Série de TV, Personagem, Processo de criação

Resumo

Este artigo introduz a teoria dos arquétipos a partir da revisão dos conceitos desenvolvidos por Jung, Campbell e Durand e analisa o uso pragmático de arquétipos na produção de filmes e séries de TV. O estudo articula as reflexões sobre o tema nos campos da antropologia, psicologia e artes, buscando definir o que são os arquétipos e quais são suas funções nas narrativas. Por fim, o conceito de arquétipo na construção de personagens é aplicado com o estudo de caso de Walter White, protagonista da série de TV Breaking Bad. O resultado obtido é um conceito de arquétipo aplicável aos processos de criação e construção de personagens nas narrativas audiovisuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Antonio Luiz Anaz, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pós-doutorado em Meios e Processos Audiovisuais na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São
Paulo (USP).

Referências

ANAZ, S. A. L. “Processo criativo na indústria do audiovisual: do roteiro ao imaginário”. Galáxia, São Paulo, n. 38, p. 98-113, 2018.

BARING, A.; CASHFORD, J. The myth of the goddess: evolution of an image. London: Penguin, 1993.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Cultrix; Pensamento, 1997.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

EGRI, L. The art of dramatic writing: its basis in the creative interpretation of human motives. Hawthorne: BN Publishing, 2009.

FRYE, N. Anatomia da crítica. São Paulo: É Realizações, 2014.

HARK, H. Léxico dos conceitos junguianos fundamentais: a partir dos originais de C. G. Jung. São Paulo: Loyola, 2000.

JUNG, C. G. Psicologia e religião. Petrópolis: Vozes, 1978.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2014.

MITTEL, J. “Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea”. Matrizes, São Paulo, ano 5, n. 2, p. 29-52, 2012

NEUMANN, E. A grande mãe. São Paulo: Cultrix, 1974.

OTTO, R. O sagrado. São Leopoldo: Sinodal, 2007.

PROPP, V. Morfologia do conto maravilhoso. São Paulo: Forense Universitária, 2006.

ROSS, A. G. “Tomando decisões criativas nos estúdios da Hollywood contemporânea”. Rumores, São Paulo, n. 22, v. 11, p. 89-115, 2017.

VOGLER, C. A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores. São Paulo: Aleph, 2015.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

Anaz, S. A. L. (2020). Teoria dos arquétipos e construção de personagens em filmes e séries. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 251-270. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.159964