Encruzilhadas, andarilhos, aprendizes

sobre três filmes-performance

Autores

  • André Brasil Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.160224

Palavras-chave:

feitiçaria capitalista, contrafeitiço, performance, Ungüento, Árvore do Esquecimento, Noirblue

Resumo

Tendo como ponto de partida a hipótese de Pignarre e Stengers em torno da feitiçaria capitalista, o artigo aproxima três filmes-performance – Ungüento, de Dalton Paula, Árvore do esquecimento, de Paulo Nazareth e Noirblue, de Ana Pi – para pensá-los como críticas contracoloniais, elaborações da história da diáspora negra por meio do corpo. Se o capitalismo e a colonização que lhe é indissociável configuram um “sistema feiticeiro sem feiticeiros”, cada qual à sua maneira, os três trabalhos podem ser vistos como operações de contrafeitiçaria, intervenções no tempo, com o tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais, onde integra o corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação. Coordena o Grupo de Pesquisa Poéticas da Experiência, junto ao qual desenvolve os projetos “Cosmopolítica e cinemas contracoloniais” (Bolsa de Produtividade em Pesquisa, CNPq) e “Cosmopolítica e cinema ameríndio: ver e pensar juntos as imagens” (Edital Universal, CNPq). É um dos editores da Revista Devires – Cinema e Humanidades, compõe o Núcleo de Antropologia Visual (NAV) e a Formação Transversal em Saberes Tradicionais na UFMG.

Referências

BABAU, C. “Retomada”. Piseagrama, Belo Horizonte, n. 13, p. 98-105, 2019.

BARBOSA NETO, E. “O quem das coisas: etnografia e feitiçaria em Les mots, la mort, les sorts”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 18, n. 37, p. 235-260, 2012. doi: 10.1590/S0104-71832012000100010.

BARROS, L.; FREITAS, K. “Experiência estética, alteridade e fabulação no cinema negro”. Eco Pós, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 97-121, 2018. doi: 10.29146/eco-pos.v21i3.20262.

BRASIL, A. Performance: entre o vivido e o imaginado. In: PICADO, B.; MENDONÇA, C. M.; CARDOSO, J. (org.) Experiência estética e performance. Salvador: EDUFBA, 2014. p. 131-145.

CARLSON, M. Performance: uma introdução crítica. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá de capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, 2007.

COSTA, T.; BRAZ, L. “Cinema e negritude: restituições de territórios e invenções de pertencimentos”. In: Catálogo do 22º forumdoc.bh. Belo Horizonte: Forumdoc, 2018. p. 159-164.

DELEUZE, G. A dobra: Leibniz e o Barroco. Campinas: Papirus, 1991.

FAVRET-SAADA, J. “Comment c’est dit”. In: Favret-Saada, J. Les mots, la mort, les sorts. Paris: Gallimard, 1977. p. 15-30.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

GUAJAJARA, S. “Plantamos vida, não alimentamos morte”. In: COHN, S.; KADIWEL, I. (org.) Sônia Guajajara. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2018. p. 45-55.

KOPENAWA, D.; ALBERT, B. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KOSELLECK, R. “‘Espaço de experiência’ e ‘horizonte de expectativa’: duas categorias históricas”. In: KOSELLECK, R. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006. p. 305-327.

KRAUSS, R. “Vídeo: a estética do narcisismo”. Arte & Ensaios, n. 16, p. 144-157, 2008.

KRENAK, A. “Outras narrativas”. In: COHN, S.; KADIWEL, I. (org.). Ailton Krenak. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2017. p. 13-33.

MARQUEZ, R. “Experiência estética e regimes de sensibilidade: parlatórios para dissensos territoriais”. Revista Devires, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p. 148-163, 2016.

MARTINS, L. “Performances da oralitura: corpo, lugar da memória”. Letras, Santa Maria, n. 26, p. 63-81, 2003.

MAXAKALI, I.; MAXAKALI, S. “Desta terra, para esta terra”. In: Catálogo do 21º forumdoc.bh. Belo Horizonte: Forumdoc, 2017.

MELENDI, M. A. “Folhas ao vento – Paulo Nazareth, Notícias de América, 2012”. In: CORNELSEN, E. L.; VIEIRA, E. A.; QUIJADA, G. L. (org.). Em torno da imagem e da memória. Rio de Janeiro: Jaguatirica, 2016. p. 165-178.

MENEZES NETO, H. Entre o visível e o oculto: a construção do conceito de arte afro-brasileira. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: N-1, 2018.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. São Paulo: N-1, 2018.

NASCIMENTO, W. “Temporalidade, memória e ancestralidade: enredamentos africanos entre infância e formação”. In: RODRIGUES, A.; BERLE, S.; KOHAN, W. (org.). Filosofia e educação em errância. Rio de Janeiro: Nefi, 2018.

OLIVEIRA, L. “Sobre Che Cherera de Paulo Nazareth: uma conversa no tempo mítico”. Lindonéia, Belo Horizonte, n. 3, p. 90-99, 2014.

PIGNARRE, P.; STENGERS, I. La sorcellerie capitaliste: pratiques de désenvoûtement. Paris: La Découverte, 2007.

SANTOS, A. B. Colonização, quilombos: modos e significados. Brasília, DF: INCTI/UnB, 2015.

SCHECHNER, R. “O que é performance?” In: O percevejo – Revista de teatro, crítica e estética, Rio de Janeiro, v. 12, p. 25-50, 2003.

STENGERS, I. “Reativar o animismo”. Cadernos de Leitura, Belo Horizonte, n. 62, p. 1-15, 2017.

Referências audiovisuais

ÁRVORE do esquecimento. Paulo Nazareth, Brasil, 2013. Disponível em: https://bit.ly/2PRNnZg. Acesso em: 1 nov. 2019.

NOIRBLUE. Ana Pi, Brasil, 2018.

UNGÜENTO. Dalton Paula, Brasil, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2CdRHtS. Acesso em: 1. nov. 2019.

Publicado

2020-05-04

Como Citar

Brasil, A. (2020). Encruzilhadas, andarilhos, aprendizes: sobre três filmes-performance. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(53), 21-47. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.160224