A tradição da vítima revisitada

Autores

  • Gustavo Souza Universidade Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.161364

Palavras-chave:

Documentário, Trauma, Vítima

Resumo

Em 1988, Brian Winston apresentou a discussão em torno da tradição da vítima no documentário, ao tomar como objetos a produção inglesa de 1930 e o cinema direto norte-americano para defender que os realizadores dessas escolas concebiam seus personagens apenas como vítimas. Para desdobrar essa discussão, este trabalho se concentra em documentários brasileiros que abordam situações traumáticas. Eles acionam a hipótese de que existem ao menos duas dimensões para a vitimização que se distanciam da ideia de vítima somente como marginal; bem como o reconhecimento de que a vitimização é uma produção das políticas de Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Souza, Universidade Paulista

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, mestre em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ e graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela UFPE. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista. Coordenador do GT Estudos de Cinema, Fotografia e Audiovisual da Compós (2020-2021).

Referências

ALEXANDER, J. “Towards a theory of cultural trauma”. In: ALEXANDER, J. et al. (org.). Cultural trauma and collective identity. Berkeley: University of California Press, 2004. p. 1-30.

BALTAR, M. “Cotidianos em performance: Estamira encontra as mulheres de Jogo de cena”. In: MIGLIORIN, C. (org.). Ensaios no real: o documentário brasileiro hoje. Rio de Janeiro: Azougue, 2010. p. 217-234.

MESQUITA, C. Memória contra utopia: Branco sai, preto fica (Adirley Queirós, 2014). In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 24., 2015, Brasília. Anais […]. Brasília: Compós, 2015. Disponível em: https://bityli.com/iGtPM. Acesso em: 07 dez. 2020

SCHECHNER, R. Performance studies: an introduction. 3. ed. Londres: Routledge, 2013.

SELIGMANN-SILVA, M. “Apresentando a questão: a literatura do trauma”. In: SELIGMANN-SILVA, M. (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Ed. Unicamp, 2003. p. 45-58.

SELIGMANN-SILVA, M. O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Editora 34, 2005.

SMELSER, N. J. “Psychological trauma and cultural trauma”. In: ALEXANDER, J. et al. (org.). Cultural trauma and collective identity. Berkeley: University of California Press, 2004. p. 31-59.

SOUZA, J. A ralé brasileira: como é como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

TAYLOR, D. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

WINSTON, B. “The tradition of the victim in griersonian documentary”. In: GROSS, L.; KATZ, J. S.; RUBY, J. (org.). Image ethics: the moral rights of subjects in photographs, film, and television. Oxford: Oxford University Press, 1988. p. 34-57.

Referências audiovisuais

ATOS dos homens. Kiko Goifman, Brasil, 2006.

BRANCO sai, preto fica. Adirley Queirós, Brasil, 2015.

ESTAMIRA. Marcos Prado, Brasil, 2004.

JOGO de cena. Eduardo Coutinho, Brasil, 2007.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Souza, G. (2021). A tradição da vítima revisitada. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(55), 55-73. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.161364

Edição

Seção

Artigos