Uma arqueologia especulativa: os roteiros não filmados de Mário Peixoto

Autores

  • Pablo Gonçalo Pires de Campos Martins Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.162854

Palavras-chave:

Mário Peixoto, Cinema brasileiro, Estudos de roteiro, Arqueologia das mídias, Realismo especulativo

Resumo

Este ensaio analisa os roteiros de A alma, segundo Salustre e Outono: o jardim petrificado, ambos de Mário Peixoto, obras que não foram filmadas, ou finalizadas. A partir do enredo e da linguagem cinematográfica sinalizada nos roteiros salientamos alguns aspectos mais obscuros da estética de Peixoto que não poderiam ser percebidos apenas em Limite. Ao final do ensaio propõe-se uma arqueologia especulativa para compreender o papel dos roteiros não filmados na teoria e história do cinema e, mais especificamente, como uma possível revisão da historiografia do cinema brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Gonçalo Pires de Campos Martins, Universidade de Brasília

Professor adjunto do curso da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB). Possui pós-doutorado pela Universidade de São Paulo (USP) e pela University of Chicago, quando foi bolsista da Fulbright. É doutor pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Realizou seu “sanduíche” em parceria com o Institut für Theaterwissenschaften da Freie Universität Berlin, com bolsa do Deutscher Akademischer Austauschdienst (DAAD). Sua pesquisa de doutorado aborda as relações intermidiáticas entre literatura, teatro e cinema, a partir das obras produzidas pelos roteiristas de cinema, com um estudo de caso mais específico na colaboração entre Peter Handke e Wim Wenders.

Referências

ASSIS, M. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. (Conto, v. 2).

ELSAESSER, T. Film history as media archaeology: tracking digital cinema. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2016.

GONÇALO, P. Quando filmes são palavras: uma introdução aos estudos de roteiro. Raído, Dourados, v. 11, n. 28, p. 123-140, 2017.

HARMAN, G. Bells and whistles: more speculative realism. London: Zero Books, 2013.

LISSOVSKI, M. A máquina da esperar: origem e estética da fotografia moderna. Rio de Janeiro: Mauad, 2014.

MACDONALD, I. Screenwriting poetics and the screen idea. London: Palgrave Macmilian, 2013.

PEIXOTO, M. A alma, segundo Salustre. Rio de Janeiro: Embrafilme, 1983

PEIXOTO, M. Escritos sobre cinema. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

PEIXOTO, M.; MELLO, S. P. Outono: o jardim petrificado. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

ROCHA, G. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

VILA-MATAS, E. Bartleby e companhia. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

WHITEHEAD, A. N. Modes of thought. New York: Free Press, 1968.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

Martins, P. G. P. de C. (2020). Uma arqueologia especulativa: os roteiros não filmados de Mário Peixoto. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 334-351. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.162854