Encenar as linhas de força: dimensões perceptuais em Adeus, Dragon Inn

Autores

  • Eduardo Brandão Pinto Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.166247

Palavras-chave:

Cinema contemporâneo, Tsai Ming-Liang, Perceptos, Mise en scène, Slow cinema

Resumo

Qual o papel de categorias como o vazio e a lentidão no cinema contemporâneo? Em Adeus, Dragon Inn, Tsai Ming-Liang radicaliza a experimentação de elementos que apontam para uma energia negativa da imagem. Neste artigo, procuro reconhecer um novo estatuto da imagem fílmica: não mais definida como aquilo que organiza o visível sob a forma de campo, mas como o aparecimento do visível como uma composição de linhas de força. Para isso, construo os conceitos de perceptos molares e moleculares, em diálogo com o pensamento de Deleuze e Guattari. Discutindo com teóricos contemporâneos do cinema, proponho pensar a encenação como coordenação das forças em emergência no visível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Brandão Pinto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na linha de tecnologias da comunicação e estética. Mestre em Artes da Cena pela UFRJ, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Bacharel em cinema e audiovisual pela Universidade Federal Fluminense. Professor e realizador audiovisual.

Referências

AUMONT, J. O cinema e a encenação. Lisboa: Texto e Grafia, 2008.

BIRÓ, Y. “The fullness of minimalism”. Rouge, [s.l.], n. 9, 2006. Disponível em: https://bit.ly/2AFd3TP. Acesso em: 15 jun. 2020.

BORDWELL, D. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Rio de Janeiro: Papirus, 2008.

COMOLLI, J.-L. Ver e poder: a inocência perdida: cinema, ficção, televisão, documentário. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

DELEUZE, G. Cinéma 1: l’image-mouvement. Paris: Minuit, 1983.

DELEUZE, G. Cinéma 2: l’image-temps. Paris: Minuit, 1985.

DELEUZE, G. “Sobre a filosofia”. In: DELEUZE, G. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992. p. 169-193.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. L’anti-Oedipe: capitalisme et schizophrénie. Paris: Minuit, 1972.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. “1933: Micropolítica e segmentaridade”. In: DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. São Paulo: Editora 34, 2012. v. 3, p. 91-125.

FLANAGAN, M. ‘Slow cinema’: temporality and style in contemporary art and experimental film. 2012. Tese (Doutorado em Inglês) – University of Exeter, Exeter, 2012.

FIANT, A. Pour un cinema contemporain soustractif. Paris: Presses Universitaires de Vincennes, 2014.

LAPOUJADE, D. As existências mínimas. São Paulo: n-1, 2017.

LE BRETON, D. Du silence: essai d'anthropologie. Paris: Métailié, 1997.

LUCA, T. Realism of the senses in world cinema: the experience of physical reality. London: I. B. Tauris, 2014.

LUCA, T. “Slow time, visible cinema: duration, experience and spectatorship”. Cinema Journal, Maryland, v. 56, n. 1, p. 23-42, 2016. p. 163-176.

LUCA, T. “Watching cinema disappear: intermediality and aesthetic experience in Tsai Ming-liang’s Goodbye, Dragon Inn (2003) and Stray Dogs (2013)”. In: GIBBS, J.; PYE, D. (org.). The long take: critical approaches. London: Palgrave, 2017.

MULVEY, L. Death 24x a second: stillness and the moving image. London: Reaktion Books, 2006.

PANOFSKY, E. Significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 1991.

PARENTE, A. “A forma cinema: variações e rupturas”. In: MACIEL, K. (org.). Transcinemas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009. p. 21-45.

PELBART, P. P. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1, 2016.

SAFATLE, V. “Entre a diferença e a contradição: Deleuze contra a negatividade”. In: SAFATLE, V. Dar corpo ao impossível: o sentido da dialética a partir de Theodor Adorno. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. p. 221-247.

Referências audiovisuais

AI qing wan sui (Viva o amor). Tsai Ming-Liang, Taiwan, 1994.

BU san (Adeus, Dragon Inn). Tsai Ming-Liang, Taiwan, 2003.

DONG (O buraco). Tsai Ming-Liang, Taiwan, 1998.

LONG men kezhan (Dragon Gate Inn). King Hu, Taiwan/China, 1967.

TCHELOVEK s kinoapparatom (Um homem com uma câmera). Dziga Vertov, URSS, 1929.

TIAN bian yi duo yun (O sabor da melancia). Tsai Ming-Liang, Taiwan, 2005.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

Pinto, E. B. (2020). Encenar as linhas de força: dimensões perceptuais em Adeus, Dragon Inn. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 102-120. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.166247