Planos frontais e autoridade em crise no cinema: o acontecimento disruptivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.167447

Palavras-chave:

John Ford, Alfred Hitchcock, Julio Bressane, Planos frontais, Espectador

Resumo

A partir da ideia de configuração (Badiou, 1998) de imagens de primeiros planos frontais, observados em filmes de John Ford, Alfred Hitchcock, Major Thomaz Reis, Julio Bressane e James Williamson, o artigo investiga de que forma “os sinais instáveis da imagem cinematográfica” (Lindeperg, 2013) são capazes de introduzir uma contradição e, por vezes, confrontar diversos tipos de discursos de autoridade que podem existir em um filme, a partir de um acontecimento disruptivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Bomfim Pedrosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2009) e mestrado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2012). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cinema, atuando principalmente no seguinte tema: cinema moderno, novos cinemas. Doutorando na Escola de Comunicação, Artes e Design na PUC-RS.

Cristiane Freitas Gutfreind, Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Sociologia e Política pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1994), mestrado em Cultures et Comportements Sociaux – Université de Paris 5 (René Descartes, Sorbonne -1996) e doutorado em Sociologie – Université de Paris 5 (René Descartes, Sorbonne – 2001). Atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e coordenadora do PPGCom. É líder o grupo de pesquisa Cinema e Audiovisual: comunicação, estética e política (Kinepoliticom) e participa de outros grupos de pesquisa de áreas afins no CNPq.

Referências

BADIOU, A. Pequeno Manual de Inestética. Porto Alegre: Instituto Piaget, 1998.

BAZIN, A. O que é o cinema?. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

EGAN, T. Short nights of the shadow catcher: the epic life and immortal photographs of Edward Curtis. Boston: Mariners Books, 2013.

LINDEPERG, S. “O caminho das imagens: três histórias de filmagens na primavera-verão de 1944”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 26, n. 51, jan.-jun. 2013

LYOTARD, J-F. “O acinema”. In: PESSOA, F. (org). Teoria contemporânea do cinema. São Paulo: Senac, 2005.

MENEZES, P. “Major Reis e a constituição visual do Brasil enquanto nação”.

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 14, n. 29, jan.-jun. 2008.

RECHENBERG, F. “Notas etnográficas sobre o retrato: repensando as práticas de documentação fotográfica em uma experiência de produção compartilhada das imagens”. Cadernos de Arte e Antropologia, Salvador, v. 3, n. 2, out. 2014.

Referências audiovisuais

FAMÍLIA do Barulho, a. Julio Bressane, Brasil, 1970.

AO REDOR do Brasil. Major Thomaz Reis, Brasil, 1932.

BIG Swallow, the (A Grande Engolida). James Williamson, Reino Unido, 1903.

PORTRAIT mystérieux, le (O Retrato Misterioso). Georges Méliès, França, 1899

PSYCHO (Psicose). Alfred Hitchcock, Estados Unidos, 1960

STAGECOACH (No Tempo das Diligências). John Ford, Estados Unidos, 1939

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Pedrosa, L. B., & Gutfreind, C. F. (2021). Planos frontais e autoridade em crise no cinema: o acontecimento disruptivo. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(55), 153-170. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.167447

Edição

Seção

Artigos