Adesão e crítica ao cinema na dramaturgia de The glass menagerie

Autores

  • Fernanda Santos Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.167624

Palavras-chave:

The glass menagerie, Tennessee Williams, Intermidialidade, Teatro moderno, Cinema clássico

Resumo

O presente artigo analisa a dramaturgia da peça The glass menagerie (1944), de Tennessee Williams, tomando aspectos de aderência e crítica que o texto desenvolve em relação ao cinema clássico estadunidense dos anos 1930 e 1940. Por meio de uma abordagem intermidiática, advogarei a favor de uma “adesão-crítica” de The glass menagerie à linguagem e à cultura social do cinema do período, capaz de promover tensionamentos no caráter dramático do texto de Williams. O trabalho almeja um apontamento preliminar a respeito das trocas intermidiáticas entre os textos teatrais de Tennessee Williams e o cinema hollywoodiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Santos, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Mestre pelo mesmo programa, com bolsa Fapesp. Seus temas de pesquisa envolvem relações entre gêneros, realismo e intermidialidade. Além de pesquisadora, é dramaturga e roteirista audiovisual.

Referências

ARISTÓTELES. Arte poética. In: ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 2005. p. 19-52.

BETTI, M. S. “Lirismo e ironia: apresentação de 27 carros de algodão e outras peças em um ato”. In: WILLIAMS. Tennessee. 27 carros de algodão e outras peças de um ato. São Paulo: É Realizações, 2013. p. 7-26.

BETTI, M. S. Dramaturgia comparada Estados Unidos-Brasil: três estudos. São Bernardo do Campo: Companhia Cultural Fagulha, 2017.

BROOKS, P. The melodramatic imagination: Balzac, Henry James, melodrama, and the mode of excess. New Haven: Yale University Press, 1995.

COSTA, I. C. Panorama do Rio Vermelho: ensaios sobre o teatro americano moderno. São Paulo: Nankin, 2001.

DIDEROT, D. Discurso sobre a poesia dramática. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2005.

DINIZ, T. F. N. “Intermidialidade: perspectivas no cinema”. Rumores, São Paulo, n. 24, v. 12, p. 41-60, 2018.

GASSNER, J. Rumos do teatro moderno. Rio de Janeiro: Lidador, 1965.

GOTTFRIED, M. Teatro dividido: a cena americana no pós-guerra. Rio de Janeiro: Bloch, 1970.

HEINTZELMAN, G.; SMITH-HOWARD, A. Critical companion to Tennessee Williams. New York: Facts On File, 2005.

LEHMANN, H-T. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2007.

MARTIN, M. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2003.

NAGIB, L. “Politics of impurity”. In: NAGIB, L.; JERSLEV, A. (eds.). Impure cinema: intermedial and intercultural approaches to film. London: Bloomsbury, 2014. p. 21-39.

PEIXOTO, F. Brecht. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

RAMOS, A. F. “Bertold Brecht e o cinema alemão dos anos 1920”. Fênix, Uberlândia, v. 3, n. 3, 2006.

RANCIÈRE, J. Dissensus: on politics and aesthetics. London: Bloomsbury, 2010.

SALA, L. H. “Tennessee Williams no cinema”. Cinemin, Rio de Janeiro, n. 68, p. 36-37, 1991.

SCHWARTZ, V. R. “O espectador cinematográfico antes do aparato do cinema: o gosto do público pela realidade na Paris fim-de-século”. In: CHARNEY, L.; SCHWARTZ, V. R. O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2004.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno: 1880-1950. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2001.

SZONDI, P. Teoria do drama burguês: século XVIII. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2014.

VALENTINE, M. The show starts on the sidewalk: an architectural history of the movie theater, starring S. Charles Lee. New Haven: Yale University Press, 1996.

WILLIAMS, R. Tragédia moderna. São Paulo: Cosac & Naïfy, 2002.

WILLIAMS, T. The glass menagerie. New York: New Directions Books, 1999.

WILLIAMS. T. “Essas são as escadas que você tem que vigiar”. In: WILLIAMS, T. Mister Paradise e outras peças em um ato. São Paulo: É Realizações, 2011.

WILLIAMS, T. “O zoológico de vidro”. In: WILLIAMS, T. O zoológico de vidro; De repente no último verão; Doce pássaro da juventude. São Paulo: É Realizações, 2014. p. 23-36.

XAVIER, I. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

Downloads

Publicado

2020-07-08

Como Citar

Santos, F. (2020). Adesão e crítica ao cinema na dramaturgia de The glass menagerie. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 23-42. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.167624