Luto e memória: a fragilidade do entrelugar em Ventos de Agosto

Autores

  • Vitor Cerqueira Dassie University of Texas at Austin

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.171041

Palavras-chave:

Brasil, Entrelugar, Memorialização, Interculturalidade, Cinema

Resumo

Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro, retrata a luta de uma pequena comunidade de pescadores de Alagoas ao tornar-se consciente das diversas correntes que a invadem. Representadas pelo avanço do mar sobre o cemitério local, a força descomunal destas correntes vem erodindo seus espaços de memória e ameaçando sua sobrevivência como sociedade. A ideia de entrelugar, debatida no Brasil como um espaço de afirmação e resistência ao apagamento social, encontra em Mascaro um ponto de transição em que a disparidade observada entre as forças em questão aponta para uma interculturalidade precária diante de tal desproporcionalidade e para uma ansiedade por sobrevivência e memorialização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Cerqueira Dassie, University of Texas at Austin

Doutorando do programa de Estudos Culturais e de Mídia Luso- Brasileiros da Universidade do Texas em Austin, EUA. Mestre em Arte, Cognição e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – PPGArtes UERJ. Atuante na área de Política Cultural na Agência Nacional do Cinema – Ancine. Bacharel em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.

Referências

ALMEIDA, M. G. “Memórias, lembranças, imagens: o cemitério”. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 30, n. 1, p. 105–122, 2004.

BAUMAN, Z. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 1999.

BENTES, I. “The sertão and the favela in contemporary Brazilian film”. In: NAGIB, L. (org.). The new Brazilian cinema. 1. ed. Londres: I.B.Tauris, 2014. p. 121-137.

CUNHA, M. “Bodies in landscape: the scientist’s presence in Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo and Ventos de Agosto”. In: CUNHA, M.; DA SILVA, A. M. (org.). Space and subjectivity in contemporary Brazilian cinema. New York: Springer Berlin Heidelberg, 2017. p. 77-95.

GUIMARÃES ROSA, J. “A terceira margem do rio”. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988. p. 32–37.

HARTMAN, S. V. Lose your mother: a journey along the Atlantic slave route. 1. ed. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2007.

HAY, I.; HUGHES, A.; TUTTON, M. “Monuments, memory and marginalisation in Adelaide’s Prince Henry Gardens”. Geografiska Annaler: Series B, Human Geography, London, v. 86, n. 3, p. 201–216, 2004.

HUYSSEN, A. “Present pasts: media, politics, amnesia”. Public Culture, Durham, v. 12, n. 1, p. 21–38, 2000.

JACQUES HANCIAU, N. “O Entre-Lugar”. In: FIGUEIREDO, E. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: Niterói: UFJF/Eduff, 2005. p. 215–141.

LOPES, D. “Do Entre-Lugar ao Transcultural”. In: LOPES, D. No coração do mundo: paisagens transculturais. Rio de Janeiro: Rocco, 2012. p. 12-38.

MATTOS, C. A. “Documentário contemporâneo (2000 – 2016)”. In: RAMOS, F.; SCHVARZMAN, S. (org.). Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: Sesc, 2018. v. 2, p. 474–513.

MILLER, M. G. Rise and fall of the cosmic race: the cult of mestizaje in Latin America. 1. ed. Austin: University of Texas Press, 2004.

MITCHELL, D. Cultural geography: a critical introduction. Oxford: Blackwell Publishers, 2000.

QUIJANO, A. “Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina”. In: LANDER, E.; CASTRO-GÓMEZ, S. (org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales: perspectivas latinoamericanas. 1a. ed. Buenos Aires: Clacso; Unesco, 2000. p. 201-246.

SANTIAGO, S. “O entre-lugar do discurso latino-americano”. In: Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1978. p. 11–28.

SCHWARCZ, L. M. “Previsões são sempre traiçoeiras: João Baptista de Lacerda e seu Brasil branco”. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 225–242, 2011.

SEVCENKO, N. “In search of the third bank of the river: reflections of the burden of the past in contemporary Brazilian culture”. Journal of Latin American Cultural Studies, v. 1, n. 1, p. 69–86, 1992.

SHARPE, C. E. In the wake: on blackness and being. Durham: Duke University Press, 2016.

SILVA, D. F. “Ninguém: direito, racialidade e violência”. Meritum: revista de Direito da Universidade Fumec, v. 9, n. 1, 2014. p. 67-117.

SKIDMORE, T. E. Black into white: race and nationality in Brazilian thought. New York: Oxford University Press, 1974.

Referências audiovisuais

VENTOS de agosto. Gabriel Mascaro, Brasil, 2014.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Dassie, V. C. (2021). Luto e memória: a fragilidade do entrelugar em Ventos de Agosto. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(55), 96-117. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.171041

Edição

Seção

Artigos