Filmes de prédio: espaço, arquitetura e heterotopia em filmes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.171895

Palavras-chave:

Fiilmes pernambucanos, Espaço, Arquitetura, Heterotopia

Resumo

Este artigo propõe investigar as particularidades das representações do espaço urbano e da paisagem arquitetônica da cidade do Recife nos filmes Deserto feliz (2008), de Paulo Caldas, Um lugar ao sol (2009), de Gabriel Mascaro, e Aquarius (2016), de Kleber Mendonça Filho. Discute-se aqui sobre como essas representações servem como estruturas que delineiam a imaginação geográfica sobre o espaço e a paisagem recifense, atribuindo significado à experiência de vivência do lugar e à correlação existente entre as paisagens real e fílmica da cidade, contextualizadas em uma ordem socioespacial que se institui como heterotópica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Helena Braga e Vaz da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pós-doutora em Cinema pelo International Institute – University of California at Los Angeles (UCLA) – USA; doutora e mestra em Estudos de Mídia pela University of Sussex – Inglaterra; graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq; professora titular do Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Atua como pesquisadora na área de Cinema no contexto dos seguintes temas: estudos sobre a imagem fílmica e o espaço; olhares imagéticos sobre a cidade, a arquitetura e o espaço urbano; cultura visual; culturas moderna e pós-modernidade.

Referências

ADOLESCENTE é baleado em frente ao edifício Holiday em Boa Viagem. JC Online, Recife, 8 set. 2017. Disponível em: https://bit.ly/37czTym. Acesso em: 25 nov. 2020.

ARAÚJO, M. Verdadeiro edifício Aquarius tem sua própria Clara e assédio de construtora. UOL, Recife, 21 set. 2016. Disponível em: https://bit.ly/363k120. Acesso em: 30 jun. 2020.

AUMONT, J. Moderno? Por que o cinema se tornou a mais singular das artes. Campinas: Papirus, 2008.

AZERÊDO, G. “Kleber Mendonça e a ciranda de todos nós: configurações espaciais e resistência”. Significação, São Paulo, v. 47, n. 53, 2020.

AZEVEDO, A. F. “Geografia e cinema”. In: SARMENTO, J.; AZEVEDO, A.; PIMENTA, J. (orgs.). Ensaios de Geografia Cultural. Porto: Livraria Editora Figueirinhas, 2006. p. 59-79.

BARNES, T. J.; DUNCAN, J. S. (orgs.). Writing Worlds: discourse, text and metaphor in the representation of landscape. London: Routledge, 1992.

BESSE, J. M. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BRITO, N. Blog da Noelia Brito, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3mVCun1. Acesso em 24 junho 2020.

COSTA, M. H. B. V. “Espaços de subjetividade e transgressão nas paisagens fílmicas”. Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 3, 2009.

COSTA, M. H. B. V.; COSTA, W. M. A. “O outro e a arquitetura da cidade: as relações de poder em Um lugar ao sol”. Doc On-line: Revista Digital de Cinema Documentário, Covilhã, n. 21, p. 97-113, 2017.

DOMOSH, D. “A method for interpreting landscapes: a case study of the New York World Building”. Area, Ann Arbor, v. 21, n. 4, 1989.

FERRAZ, M. C. F. “Percepção e imagem na virada do século XIX ao XX”. In: CORREA, A. D. (Org.). Imagem (ir)realidade: comunicação e cibermídia. Porto Alegre: Sulina, 2006. p. 233-234.

FOTO postada no Facebook de Aquarius sem as Torres Gêmeas repercute nas redes. JC Online, Recife, 4 set. 2016. Disponível em: https://bit.ly/37anhrI. Acesso em: 19 jun. 2020.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos, vol.III – estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

FOUCAULT, M. “De outros espaços”. Tradução Pedro Moura. Diacritics, Baltimore, v. 16, n. 1, 1986.

GRUFFUDD, P. “Building sites: cultural geographies of architecture and place-making”. In: OGBORN, M. et al. Cultural geography in practice. London: Routledge, 2014. p. 238-250.

KRUGER Jr., D. A. “Foucault: a heterotopia como alternativa para pensar o espaço social”. Revista Enciclopédia de Filosofia, Pelotas, v. 5, p. 22-37, 2016.

LEES, L. “Towards a critical geography of architecture: the case of an Ersatz Colosseum”. Ecumene, Ann Arbor, v. 8, n. 1, p. 51-86, 2001.

MARANDOLA Jr., E.; HOLZER, W.; OLIVEIRA, L. (orgs.) Qual o espaço do lugar?. São Paulo: Perspectiva, 2014.

MASSEY, D. B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

FERREIRA, F. “‘Torres Gêmeas’ de Recife foram alvos de protesto no filme Aquarius”. Folha de São Paulo, Recife, 3 dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3fBOGq4. Acesso em: 21 mai. 2020.

MITCHELL, J. Picture theory: essays on verbal and visual representation. Chicago: University of Chicago Press, 1994.

NETTO, J. T. C. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 2012.

NOGUEIRA, A. M. C. A brodagem no cinema em Pernambuco. 2014. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

PADRÃO, M. Obra em bairro histórico gera debate intenso sobre urbanização do Recife. UOL, São Paulo, 1 jun. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3fGrUgX. Acesso em: 24 jun. 2020.

PORTUGAL, A. B. Geografia de espaços outros: formas de ocupar e inventar as cidades no cinema brasileiro contemporâneo. 2016. Tese (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

PORTUGAL, A.; MIGLIORIN, C. “O infinitesimal do capitalismo contemporâneo no documentário brasileiro Banco Imobiliário”. Aniki, Lisboa, v. 5, n. 2, 2018.

RUFINO, R. H. Estética do espaço cinematográfico: uma reflexão sobre a imagem da cidade no cinema. 2018. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2018.

SARLO, B. A cidade vista: mercadorias e cultura urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

SILVA, P. G.; MELLO, S. C. B. “Representações da vida cotidiana do Recife no cinema de Kleber Mendonça Filho”. Rebeca, São Paulo, v. 8, n. 2, 2019.

Referências audiovisuais

AQUARIUS. Kleber Mendonça Filho, Brasil, 2016.

DESERTO feliz. Paulo Caldas, Brasil, 2008.

PASSAGES: a film essay. Lúcia Nagib; Samuel Paiva, Inglaterra, 2019.

UM lugar ao sol. Gabriel Mascaro, Brasil, 2009.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Costa, M. H. B. e V. da. (2021). Filmes de prédio: espaço, arquitetura e heterotopia em filmes. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(55), 74-95. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.171895

Edição

Seção

Artigos