La mujer sin cabeza: fluxos estéticos e políticos no cinema argentino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.178321

Palavras-chave:

Cinema de fluxo, Nuevo Cine Argentino, Lucrecia Martel, La mujer sin cabeza

Resumo

O artigo, situado no campo dos estudos contemporâneos de cinema, problematiza questões relativas ao cinema de fluxo tomado da forma como se apresenta no filme La mujer sin cabeza (2008), de Lucrecia Martel. Para tanto, discute e analisa na obra as estratégias adotadas para a colocação em quadro do contexto sociopolítico da Argentina neoliberal pós-ditaduras, verifica os efeitos de sentido produzidos por meio das homologações entre o plano do conteúdo fílmico e o plano da expressão cinematográfica, e trata das consequentes articulações estéticas e estésicas. Considerando o cinema como privilegiado campo do sintoma da sociedade em que se se encontra cronotopicamente inserido, conclui-se que o filme em tela, ao focalizar as miudezas do cotidiano e suas modulações sensíveis, sinaliza a emergência de um suposto Nuevo Cine Argentino – que tanto viabiliza a detecção de angústias e asfixias sociais, quanto oportuniza, potencialmente, revisões de paradigmas e conceitos pré-estabelecidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Fischer, Universidade Tuiuti do Paraná

Tem pós-doutorado em Cinema pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ) e é doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP); docente e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (PPGCom/UTP); vice-líder do Grupo de Pesquisa “Desdobramentos Simbólicos do Espaço Urbano nas Narrativas Audiovisuais” (Grudes, PPGCom-UTP/CNPq).

Natália Lago Adams, Universidade Lusófona de Lisboa

Doutoranda no Programa de Ciências da Comunicação da Universidade Lusófona de Lisboa. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens (2020) da Universidade Tuiuti do Paraná, no qual foi bolsista da Capes e CNPq. Pesquisadora discente do Grupo de Pesquisa Desdobramentos Simbólicos do Espaço Urbano em Narrativas Audiovisuais.

Aline Vaz, Universidade Tuiuti do Paraná

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (PPGCom/UTP); pesquisadora associada ao Grudes (PPGCom-UTP/CNPq); bolsista Capes/Prosup;

Referências

AGUILAR, G. “¿Qué fue el Nuevo Cine Argentino?”. In: IRIBARREN, M. (org.). La imagen argentino: episódios cinematográficos de la historia nacional. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Fundación Ciccus, 2017. p. 197-219.

BARRENHA, N. C. “La mujer sin cabeza (Lucrecia Martel, 2008) y el mecanismo del olvido en el pasado y el presente”. Comunicación: Revista Internacional de Comunicación Audiovisual, Publicidad y Literatura, Sevilla, v. 1, p. 643-652, 2012. Disponível em: https://goo.gl/1qFdTN. Acesso em: 25 abr. 2019.

BOUQUET, S. “Plan contre flux”. Cahiers du Cinéma, Paris, n. 566, p. 46-47, mar. 2002.

GORDON, R. Narrativas de la suspension: una mirada contemporánea desde la literatura y el cine argentinos. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Libraria, 2017.

JOYARD, O. “C’est quoi ce plan? (La suite)”. Cahiers du Cinéma, Paris, n. 580, p. 26-27, jun. 2003.

LALANNE, J-M. “C’est quoi ce plan?”. Cahiers du Cinéma, Paris, n. 569, p. 26-27, jun. 2002.

MARTEL, L. “Harvard at the Gulbenkian”. In: Cinema dialogues 4.2. San Francisco, 2014. Disponível em: https://youtu.be/KFxoAb_UQVs. Acesso em: 25 abr. 2019.

MOLFETTA, A. “Cinema argentino: a representação reativada (1990-2007)”. In: BAPTISTA, M.; MASCARELLO, F. (org.). Cinema mundial contemporâneo. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 177-192.

PRYSTHON, Â. “Fantasmas da imobilidade: cinema argentino, Lucrecia Martel e a mulher sem cabeça”. In: TONETTO, M. C. (org.). O olhar feminino no cinema hispano-americano. Rio de Janeiro: Multifoco, 2015. p. 47-61. Disponível em: https://goo.gl/eXp6RK. Acesso em: 25 abr. 2019.

SARLO, B. Paisagens imaginárias. São Paulo: Edusp, 2016.

UCHÔA, F.; TAÑO, D. “A cidade e o campo no nuevo cine argentino: Mundo grua (1999) e a obra de Pablo Trapero”. Novos Olhares, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 25-39, 2016.

VIEIRA JR., E. “Revisando as genealogias de um cinema do corpo: dos anos 50/60 à estética do fluxo contemporânea”. Alceu, Rio de Janeiro, v. 29, p. 124-138, 2014. Disponível em: https://goo.gl/2QKTkh. Acesso em: 25 abr. 2019.

WOLF, S. “Las estéticas del nuevo cine argentino: el mapa es el territorio”. In: BERNADES, H.; LERER, D.; WOLF, S. (org.). Nuevo cine argentino: temas, autores y estilos de uma renovación. Buenos Aires: Tatanka, 2002.

Referências filmográficas

LA CIÉNAGA. Lucrecia Martel, Argentina, 2001.

LA MUJER sin cabeza. Lucrecia Martel, Argentina, 2008.

LEONERA. Pablo Trapero, Argentina, 2008.

PIZZA, birra, faso. Adrián Caetano e Bruno Stagnaro, Argentina, 1998.

RAPADO. Martín Retjman, Argentina, 1992.

Downloads

Publicado

2021-07-18

Como Citar

Fischer, S., Adams, N. L., & Vaz, A. . (2021). La mujer sin cabeza: fluxos estéticos e políticos no cinema argentino. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(56), 192-206. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.178321

Edição

Seção

Artigos