O documental e o vídeo na trajetória de Roberto Berliner: “quase virei correspondente de guerra”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.179192

Palavras-chave:

Vídeo, Documentário, Década de 1980, Rio de Janeiro

Resumo

A importância do livro de Arlindo Machado, Made in Brasil: as linhas de força do vídeo brasileiro, tem sido favorecer – entre outros pontos - uma interrogação sobre a “nova geração de videastas” da perspectiva da cidade do Rio de Janeiro. Esta entrevista com Berliner busca responder parte dessa questão a partir de perguntas onde o realizador fala de sua experiência com o vídeo nos anos 1980. Uma das conclusões é que o espaço cultural do Circo Voador foi um lugar importante para a criação de um ambiente marcado por laços afetivos e pela descoberta do vídeo que marcam toda uma geração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Martins França, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio. Pesquisadora do CNPq.

Referências

FRANÇA, A. M. “Séries documentais na televisão: o travelling rasante de African Pop”. Galáxia, São Paulo, n. 37, p. 80-93, 2018.

MACHADO, A. (org.). Made in Brasil: as linhas de força do vídeo brasileiro. São Paulo: Itaú Cultura, 2003.

PEDROSA, M. “A face pop dos documentários”. O Globo, Rio de Janeiro, 30 nov. 1990.

Publicado

2021-07-18

Como Citar

França, A. M. (2021). O documental e o vídeo na trajetória de Roberto Berliner: “quase virei correspondente de guerra”. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(56), 133-148. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.179192