O “ato da imagem” de Bredekamp: ontologia e presença dos artefatos visuais

Autores

  • Frederico Feitoza

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.181203

Palavras-chave:

Ato da imagem, Artefatos visuais, Olhar

Resumo

Imagens são entidades vivas que assaltam os olhos. Essa é a ideia por trás do conceito de “ato da imagem”, desenvolvido pelo historiador de arte alemão Horst Bredekamp, que se propôs a repensar uma problemática nos estudos da imagem: a dependência de modelos baseados em teorias linguísticas. Em seu estudo sistemático dos mais variados artefatos visuais desde a pré-história, ele propõe três variações do ato da imagem – esquemática, substitutiva e intrínseca – que atuam  com sua potência latente específica sobre a visão e o corpo do espectador. Neste artigo buscamos apresentar tal conceito a partir de uma breve contextualização, explicando as suas três variações para, assim, evidenciar e concluir que há uma dimensão ontológica e uma autonomia inumana dos diversos artefatos visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederico Feitoza

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Comunicação pela mesma instituição. Fez estágio de doutoramento (Capes) na Universidade de Leeds, Reino Unido. Formado em Jornalismo pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e especialista em Jornalismo Cultural pela Fundação Francisco Mascarenhas.

Referências

AUSTIN, J. L. How to do things with words. Cambridge: Mass, 1962.

BELTING, H. “Imagem, mídia e corpo: uma nova abordagem à iconologia”. Ghrebh – Revista de Comunicação, Cultura e Teoria da Mídia, São Paulo, v. 1, n 8, p. 32-60, 2006.

BOEHM, G. Was ist ein Bild? Munich: Wilhelm Fink Verlag, 1994.

BREDEKAMP, H. “A neglected tradition: art history as Bildwissenschaft”. Critical Inquiry, Chicago, v. 29, n. 3, p. 418-428, 2003.

BREDEKAMP, H. Image Acts: a systematic approach to visual agency. Boston: De Gruyter, 2017.

BREDEKAMP, H.; KROIS, J. M. Actus et imago. Berlim: Akademie Verlag, 2011.

CUSA, N. Complete philosophical and theological treatises of Nicholas of Cusa. Minneapolis: 1988.

GAIGER, J. “The idea of a universal Bildwissenschaft”. Estetika: The European Journal of Aesthetics, Helsinki, v. 51, n. 2, p. 208-229, 2014.

JAY, M. Songs of experience: modern American and European variations on a universal theme. Berkeley: University of California Press, 2005.

MITCHELL, W. J. T. “The Pictorial Turn”. In: MITCHELL, W. J. T. Picture theory: essays on verbal and visual representation. Chicago: S. n., 1994. p. 11-34.

MOXEY, K. “Visual Studies and the Iconic Turn”. Journal of Visual Culture, London, v. 7, n. 2, p. 131-146, 2008.

SANTIAGO JÚNIOR, F. “A virada e a imagem: histórica teórica do pictorial/iconic/visual turn e suas implicações para as humanidades”. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 27, p. 1-51, 2019.

Downloads

Publicado

2022-02-04

Como Citar

Feitoza, F. (2022). O “ato da imagem” de Bredekamp: ontologia e presença dos artefatos visuais. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 49(57), 181-197. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.181203