O pensamento de Arlindo Machado e uma genealogia das artes do vídeo no Brasil

Autores

  • Marcus Bastos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.181786

Palavras-chave:

Arlindo Machado, Artes do Vídeo, Brasil, Genealogia, Pensamento

Resumo

A obra de Arlindo Machado estabelece o principal campo de leitura das artes do vídeo no Brasil. Em especial em dois artigos, A experiência do vídeo no Brasil e As linhas de força do vídeo brasileiro, Machado traça um panorama – que ele mesmo sinaliza ser incompleto – da produção videográfica no país. Este artigo propõe-se uma tarefa dupla: demonstrar de que forma a obra de Machado contribui para a formação de um campo de pesquisa que propõe a leitura crítica das imagens técnicas, o que ele faz de dois modos complementares (pelo desmonte das linguagens estabelecidas e pelo mapeamento das linguagens emergentes); reestabelecer elos que não foram desenvolvidos de forma mais longa entre as artes visuais e as artes do vídeo, propondo uma genealogia das artes do vídeo no Brasil a partir da análise de duas obras representativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Bastos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professor doutor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E-mail: marcusbastos@pucsp.br Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professor doutor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

Machado, Arlindo. A ilusão especular. Introdução à Fotografia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

Machado, Arlindo. A arte do vídeo. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

Machado, Arlindo. O vídeo e sua linguagem, in: Revista USP — Dossiê Palavra/Imagem, Dez. Jan. Fev. São Paulo: USP, 1993.

Machado, Arlindo. Máquina e Imaginário. O desafio das poéticas tecnológicas. 2 ed. São Paulo: Edusp, 1996.

Machado, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

Machado, Arlindo. A televisão levada a sério. São Paulo: SENAC, 2000.

Machado, Arlindo. O filme-ensaio, in: Concinnitas — Revista do Instituto de Artes da UERJ, v. 2 n. 5. Rio de Janeiro: UERJ, 2003.

Machado, Arlindo. Made in Brasil. Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras, 2007.

Machado, Arlindo. Arte e Mídia. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Naves, Rodrigo. A forma difícil. Ensaios sobre a arte brasileira. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Spielmann, Yvonne. Video. The reflexive medium. Cambridge (MA): MIT Press, 2010.

Publicado

2021-07-18

Como Citar

Bastos, M. (2021). O pensamento de Arlindo Machado e uma genealogia das artes do vídeo no Brasil. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 48(56), 33-53. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2021.181786

Edição

Seção

Dossiê