A reviravolta estética do Brasil: de nação emergente a pária internacional

Autores

  • Daniel Malanski University College Dublin

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.188910

Palavras-chave:

Rio 2016, Londres 2012, Brics, Bolsonaro, Imagem nacional

Resumo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil havia construído a imagem de uma nação emergente e progressista que passava, pouco a pouco, a exercer papel de liderança dentro do cenário político internacional. Neste artigo, efetuamos uma análise de conteúdo das cerimônias dos Jogos Olímpicos do Rio – realizadas em 2012 e em 2016 – revelando suas referências fragmentárias e mitos políticos. Em seguida, as comparamos com o posicionamento do atual governo com relação ao ambientalismo, ao multiculturalismo e à tolerância social. Desta maneira, ficou evidente que as representações do Brasil e dos brasileiros, expostas internacionalmente durante o governo Rousseff através das cerimônias olímpicas, diferem profundamente da imagem que o governo Bolsonaro buscou dar ao país a partir dos últimos anos da década de 2010. Apesar dos esforços de consecutivas administrações – sobretudo após a redemocratização, na década de 1980 – para transmitir a imagem de um Brasil emergente e progressista, crises políticas, a recessão econômica e, sobretudo, a vitória de um regime reacionário e antiambientalista nas eleições de 2018 colocaram em xeque tal narrativa nacional romantizada, revelando – internacionalmente e domesticamente – um país de contrastes, em que campos opostos competem pela nação como espaço sociopolítico e objeto simbólico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Malanski, University College Dublin

Pesquisador da Escola de História da University College Dublin (UCD). Doutor em Comunicación Audiovisual pela Universitat Autònoma de Barcelona (UAB) e em Histoire Culturelle pela Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3. Mestre em Media and Communication Studies pela Stockholm University.

Referências

ANDRADE, C. D. A rosa do povo. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BOLSONARO visita menina para desfazer mal-entendido. [S. l.: s. n.], 2019. 1 vídeo (5 min). Publicado pelo canal Band Jornalismo. Disponível em: https://bit.ly/3qjcWDh. Acesso em: 11 set. 2019.

BRAZIL takes off. The Economist, London, 14 nov. 2019. Disponível em: https://econ.st/3Jei2tl. Acesso em: 18 mai. 2021.

BRAZIL’S sad choice. New York Times, New York, 21 out. 2018. Disponível em: https://nyti.ms/3FpRDGG. Acesso em: 20 mai. 2021.

BREVE história. Maracatu.org.br, [s. l.: s. n.], 2001. Disponível em: https://bit.ly/3pkxWKL. Acesso em: 2 ago. 2020.

CÂMARA, Y. R. “Sereia Amazônica, Iara e Yemanjá, entidades aquáticas femininas dentro do folclore das Águas no Brasil”. Agália, Santiago de Compostela, n. 97, p. 115-130, 2009.

CASADO, L.; LONDOÑO, E. “Under Brazil far-right leader, Amazon protection slashed and forests fall”. New York Times, New York, 28 jul. 2019. Disponível em: https://nyti.ms/3pkWJ1i. Acesso em: 5 set. 2019.

COMEMORAÇÃO da Vitória. Entrevista com Lula. [S. l.: s. n.], 2009. 1 vídeo (7 min). Publicado pelo canal andersondamasio. Disponível em: https://bit.ly/3H5kyjD. Acesso em: 27 jul. 2018.

DUNN, C. Brutality Garden: tropicália and the emergence of a Brazilian counterculture. Chapel Hill: UNC Press Books, 2001.

FERRANTE, L.; FEARNSIDE, P. “Brazil’s new president and ‘ruralists’ threaten Amazonia’s environment, traditional peoples and the global climate”. Environmental Conservation, Cambridge, v. 46, n. 4, p. 261-263, 2019.

FREYRE, G. Sociologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.

GALINSKY, P. Maracatu atomico: tradition, modernity, and postmodernity in the mangue movement of Recife, Brazil. Abingdon: Routledge, 2013.

GARCIA, E. “De como o Brasil quase se tornou membro permanente do Conselho de Segurança da ONU em 1945”. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, DF, v. 54, n. 1, p. 159-177, 2011.

JARDIM, Lauro. “Bolsonaro veta campanha do Banco do Brasil marcada pela diversidade”. O Globo, Rio de Janeiro, 25 abr. 2019. Disponível em: https://glo.bo/3eh9OSR. Acesso em: 22 ago. 2019.

LOCOG. London 2012 Olympic Games Closing Ceremony: media guide. London: LOCOG London, 2012. Disponível em: https://bit.ly/32ZYCb1. Acesso em: 4 jan. 2022.

MALANSKI, D. “Cannibals, colorful birds, and exuberant nature: the representation of Brazilian nationalism and its tropical modernity in the 2016 Rio Olympics”. Journal of Sport and Social Issues, Thousand Oaks, v. 44, n. 2, p. 175-196, 2020a.

MALANSKI, D. “When the party is over: the fragmentary references of an emergent and socially progressive Brazil in the 2012 London/Rio handover ceremony and beyond”. The International Journal of the History of Sport, Abingdon, v. 37, n. 5-6, p. 396-413, 2020b.

MEYERFELD, B. “Bolsonaro est le produit de la longue histoire de l’extrême droite brésilienne”. Le Monde, Paris, 23 abr. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3exsLB3. Acesso em: 20 mai. 2021.

MIGNOLO, W. D. Local histories/global designs. Princeton: Princeton University Press, 2012.

NAPOLITANO, M. “Hoje preciso refletir um pouco: ser social e tempo histórico na obra de Chico Buarque de Hollanda 1971/1978”. História, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 115-134, 2003.

NEWELL, P.; TAYLOR, O. “Fiddling while the planet burns? COP25 in perspective”. Globalizations, Abingdon, v. 17, n. 4, p. 580-592, 2020.

NIETZSCHE, F. A Gaia Ciência. Lisboa: Relógio d’Água, 1998.

NIETZSCHE, F. The birth of tragedy. Oxford: Oxford University Press, 2000.

O CANTO das três raças. Compositores: Paulo César Pinheiro; Mauro Duarte. Intérprete: Clara Nunes. Rio de Janeiro: Odeon, 1976. LP (4 min).

O’NEIL, J. “Building better global economic BRICS”. Goldman Sachs, New York, 30 nov. 2011. Disponível em: https://bit.ly/3EmRC4W. Acesso em: 4 ago. 2020.

PECEQUILO, C. S. Política Internacional. Brasília, DF: Brazilian Ministry of Foreign Affairs, 2012.

PFISTER, G. “Lieux de memoire/sites of memories and the Olympic Games: an introduction”. Sport in Society, Abingdon, v. 14, n. 4, p. 412-429, 2011.

SKIDMORE, T. E. Black into white: race and nationality in Brazilian thought. New York: Oxford University Press, 1974.

STEINER, A. Q.; MEDEIROS, M.; LIMA, R. “From Tegucigalpa to Teheran: Brazil’s diplomacy as an emerging western country”. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, DF, v. 57, n. 1, p. 40-58, 2014.

STRUCK, J.-P. “O ano em que o Brasil virou pária”. Deutsche Welle, Bonn, 29 dez. 2020. Disponível em: https://bit.ly/33KSkfv. Acesso em: 22 mai. 2021.

TEIXEIRA, D. M. “Todas as criaturas do mundo: a arte dos mapas como elemento de orientação geográfica”. Anais do museu paulista: história e cultura material, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 137-154, 2009.

TESSER, P. “Mouvement mangue Beat: le mélange de genres, version brésilienne”. Sociétés, Paris, n. 71, p. 47-58, 2001.

TWINE, F. W. Racism in a racial democracy: the maintenance of white supremacy in Brazil. New Brunswick: Rutgers Press, 2001.

TZANELLI, R. “Embodied art and aesthetic performativity in the London 2012 handover to Rio”. Global Studies Journal, Leeds, v. 6, n. 2, p. 13-24, 2014.

WALKER, S. “Africanity vs blackness race, class and culture in Brazil”. NACLA Report on the Americas, Abingdon, v. 35, n. 6, p. 16-20, 2002.

WALLERSTEIN, I. The modern world-system I: capitalist agriculture and the origins of the European world-economy in the sixteenth century. Berkeley: University of California Press, 2011.

WALLERSTEIN, I. World-systems analysis: an introduction. Durham: Duke University Press, 2004.

Downloads

Publicado

2022-02-04

Como Citar

Malanski, D. (2022). A reviravolta estética do Brasil: de nação emergente a pária internacional. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 49(57), 198-214. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.188910