Apontamentos sobre o Cinema Científico: Arlindo Machado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.189813

Palavras-chave:

Cinema científico, Pré-cinemas, Invenção, Imagens médicas, Astronomia

Resumo

Arlindo Machado realizou filmes e escreveu artigos sobre um tipo de cinema pouco debatido pelo campo comunicacional chamado “cinema científico”. Esse artigo discute suas ideias sobre o tema, articulando conceitos e a historiografia sobre as origens do cinema por meio de seus escritos sobre os pré-cinemas e os pós-cinemas. O diálogo com suas obras sugere questões a respeito da invisibilidade do cinema científico, das máquinas pré-cinemáticas e suas relações com a ciência, além de casos brasileiros de filmes científicos. A partir dos elementos abordados, especula-se a possibilidade de composição de uma linguagem que ultrapasse o mero registro de imagens. Ao final, discute-se sobre a estética e a ética do realismo atraente de imagens médicas e seus aspectos repulsivos, assim como sobre o simulacro integral das imagens astronômicas dos nossos dias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane de Almeida, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

“MICROBES caught in action. Moving pictures of them a great aid in medical research”. Nova Iorque, 31 out. 1909. Disponível em: https://nyti.ms/32KgW7I. Acesso em: 2 mai. 2021.

ALMEIDA, J.; SILVA, C. I.; SUPPIA, A.; STALBAUM, B. “Passages on Brazilian scientific cinema”. Public Understanding of Science, London, v. 26, n. 5, p. 579-595.

ANDROUTSOS, G.; DIAMANTIS, A.; VLADIMIROS, L. “The great surgeon Eugène Doyeb (1858-1916) and his disputable treatments of cancer”. Journal of BUON, [s. l.], v. 13, p. 445-453, 2008.

BAPTISTA, T. “Il faut voir le maître: a recent restoration of surgical films by E. L. Doyen (1859-1916)”. Journal of Film Preservation, Brussels, v. 70, p. 42-50, 2005.

BAPTISTA, T. “Os filmes do Dr. Doyen”. À Pala de Walsh, [s. l.], 28 set. 2017. Disponível em: https://bit.ly/32ukYBA. Acesso em: 25 mai. 2021.

BAZIN, A. “Beauté du hazard”. L’Ecran français, Paris, v. 121, p. 144-147, 1947.

BERTEME, C.; DAHLEN N. “Back to the future: early cinema and late economy of attention. An interim report about the crazy cinematógraphe”. In: LOIPERDINGER, M. (org.). Early cinema today: the art of programming and live performance. New Barnet: John Libbey, 2012. p. 79-106.

BRAILE, D. M; GODOY M. F. História da cirurgia cardíaca no mundo. Revista Brasileira de Cirurgia Vascular, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 125-134, 2012.

DUARTE, B. J. “O filme científico”. Revista Filme Cultura, Rio de Janeiro, v. 14, p. 34-39, 1970.

EPSTEIN, S. “The way they move”. Los Angeles Review of Books, Los Angeles, 25 dez. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3qypK8Z. Acesso em: 15 mai. 2021.

GOUYON, J.-B. “Science and film-making”. Public Understanding of Science, London, v. 25, p. 17-30, 2015.

GUNNING, T. “Introduction”. In: MANNONI, L. The great art of light and shadow: archaeology of the cinema. Exeter: University Exeter Press, 2000. p. xix-xxx.

LEFEBVRE, T. “Les ‘films-leçons’ du docteur Comandon”. Cinéma et science. Cinéma scientifique et médical, Alliage, v. 71, n. 1, p. 26-34, 2012.

MACHADO, A. “Kluge e a televisão”. In: ALMEIDA, J (org.). Alexander Kluge: o quinto ato. São Paulo, Cosac & Naify, 2007. p. 77-88.

MACHADO, A. “O cinema científico”. Significação, São Paulo, v. 41, n. 42, p. 15-29, 2014.

MACHADO, A. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

MOURÃO, R. “The Brazilian contribution to the observation of the transit of Venus”. In: KURTZ, W. (org.). Transits of Venus (IAU C196): new views of the solar. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. p. 154-160.

OLIVEIRA, B. J. “Cinema e imaginário científico”. História, Ciência, Saúde, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 133-150, 2006.

PAINLEVÉ, J. Jean Painlevé. Cinéma et recherche. Paris: Université de Paris, 1956.

SILVA, M. R. B. “Cinema científico: a construção de imagens da medicina na produção de Benedito Junqueira Duarte”. Revista de História, São Paulo, n. 179, a03019, 2020.

TOSI, V. Cinema before cinema: the origins of Scientific Cinematography. London: British Universities Film & Video Council, 2005.

Referências audiovisuais

CUBATÃO transfigurada. Arlindo Machado e Irene Machado, Brasil, 1981.

A INFLUÊNCIA do álcool nas atividades psicomotoras. Arlindo Machado, Brasil, 1978.

LE CINÉMA au service de la science (O cinema à serviço da ciência). Joseph Leclerc, França, 1945.

LES ORIGINES du cinéma scientifique (As origens do cinema científico).Virgílio Tosi, França, 1997.

MON ONCLE d’Amérique (Meu tio da América). Alain Resnais, França, 1980.

SISTEMAS dopaminérgicos cerebrais. Arlindo Machado, Brasil, 1979.

Downloads

Publicado

2022-02-04

Como Citar

Almeida, J. de. (2022). Apontamentos sobre o Cinema Científico: Arlindo Machado. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 49(57), 41-60. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2022.189813