O racismo brasileiro ou... quando o protagonista não é branco

a narrativa publicitária em “Nesse dia dos pais, dê O Boticário”

  • Pablo Moreno Fernandes Viana Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil
  • Dalila Maria Musa Belmiro Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Narrativa Publicitária, Racismo, Consumo, Identidade

Resumo

Este texto pretende analisar a narrativa da marca O Boticário no filme publicitário “Nesse dia dos pais, dê O Boticário”. Observamos sua capacidade, como narrativa, de mobilizar públicos e suscitar discussões a partir da representação de uma família afrocentrada na publicidade. Nossa proposta é refletir sobre como um elemento não verbalizado (a família afrocentrada) fez emergir o racismo brasileiro no momento em que uma parcela de sujeitos passou a desaprovar a marca por não utilizar o personagem branco, historicamente protagonista das representações midiáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Moreno Fernandes Viana, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC Minas.

Dalila Maria Musa Belmiro, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Mestranda em Comunicação Social pela PUC Minas, Publicitária, Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Publicado
2018-12-20