Novos modos de ação do capitalismo contemporâneo? Uma análise sobre a atuação da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) pelo olhar das categorias de Peirce

Autores

  • Flávia Costa Rocha de Assis Fonseca Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Fred Tavares Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v14i2e195646

Palavras-chave:

Capitalismo Rizomático, Psicossociologia, Comunicação, Médicos Sem Fronteiras, Semiótica Peirciana

Resumo

Os novos modos de ação do capitalismo vêm provocando mudanças significativas em diferentes aspectos da vida. Nesse sentido, compreender, por meio de uma perspectiva interdisciplinar que une os campos da Psicossociologia e da Comunicação, as modificações vivenciadas na contemporaneidade torna-se fundamental. Este artigo parte da reflexão sobre as possíveis formas de o Capitalismo Rizomático adentrar em esferas até então desconsideradas, podendo atuar no trabalho desenvolvido até mesmo por organizações humanitárias. Este é um estudo de natureza teórica, baseado em pesquisa bibliográfica e documental, utilizando-se das categorias da Semiótica de Peirce a partir da análise de uma postagem selecionada no Facebook, da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF). A publicação em questão contém pedidos de doação de recursos financeiros no primeiro semestre da pandemia da covid-19, representando, dessa forma, o corpus deste trabalho. Diante disso, como resultado, observou-se que possivelmente a MSF também passe a incorporar em suas estratégias de comunicação aquelas utilizadas por corporações que vendem produtos e serviços, podendo transformar seus doadores/seguidores em consumidores.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Flávia Costa Rocha de Assis Fonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (EICOS), no Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É bacharel em Comunicação Social (Relações Públicas) pelo Unicentro Newton Paiva de Belo Horizonte (1999). Possui especialização Lato Sensu em Comunicação e Gestão Empresarial (2001) e em Gestão e Responsabilidade Social (2005), pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

  • Fred Tavares, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    É bacharel em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda) pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso (1987), mestre em Administração de Empresas (Gestão Empresarial) pelo Instituto Metodista Bennett (2001) e doutor em Psicossociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007), com pós-doutorado em Psicossociologia pelo Instituto de Psicologia da UFRJ (2009). É professor associado da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor da pós-graduação (mestrado e doutorado) do Instituto de Psicologia (Programa EICOS) da mesma instituição. É também ex-vice-coordenador do Programa EICOS/IP/UFRJ e professor do bem do Instituto de Economia da UFRJ.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CARESIA, Gislaine. ONG internacional: classificação e participação no Sistema das Nações Unidas. In: Congresso Nacional do Conpedi, 16., 2007, Belo Horizonte. Anais […]. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007. p. 783-801. Disponível em: https://bit.ly/3Emu5UV. Acesso em: 10 nov. 2022.

CARRARA, Kester. A psicologia e a construção da cidadania. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 16, n. 1, p. 12-17, 1996.

CASADORE, Marcos Mariani. Psicossociologia e intervenção psicossociológica: alguns aspectos da pesquisa e da prática. In: EMÍDIO, Thassia Souza; HASHIMOTO, Francisco. (org.). Psicologia e seus campos de atuação: demandas contemporâneas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013. p. 163-182.

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992. p. 219-226.

FONSECA, Flavia Costa Rocha de Assis. Modos de ser, parecer e aparecer cool? Uma análise psicossocial sobre a atuação da Médicos Sem Fronteiras (MSF) pela ótica do capitalismo rizomático. 2021. 201f. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1999.

HAMANN, Eduarda Passarelli. Organizações internacionais: história e práticas. Contexto Internacional, v. 27, n. 1, p. 217-224, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-85292005000100006. Acesso em: 22 jan. 2021.

HUR, Domenico. Da biopolítica à noopolítica: contribuições de Deleuze. Lugar Comum, Rio de Janeiro, n. 40, p. 201-215, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3hzjptf. Acesso em: 22 jan. 2021.

LAZZARATO, Maurizio. O governo das desigualdades: crítica da insegurança neoliberal. São Carlos: EdUFSCar, 2011.

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS. Seja um Doador Sem Fronteiras. Genève, 25 mar. 2020. Facebook: Médicos Sem Fronteiras. Disponível em: https://bit.ly/3Ew5D3n. Acesso em: 24 jan. 2021.

MORTON, Bill. An overview of the international NGOs in development cooperation. In: Working with civil society in foreign aid: possibilities for south-south cooperation? Camberra: Australian Aid; New York: Pnud. p. 325-352. Disponível em: https://bit.ly/3TKw7md. Acesso em: 3 dez. 2021.

MSF. Relatório Anual 2019. Genève: Médicos Sem Fronteiras (MSF), 2019. Disponível em: https://bit.ly/3fTiIdB. Acesso em: 3 nov. 2019.

MSF. Projetos Médicos Sem Fronteiras, 2020. Genève: Médicos Sem Fronteiras (MSF), 2020. Disponível em: https://www.msf.org.br/o-que-fazemos/projetos-msf/brasil/. Acesso em: 24 jun. 2020.

NICOLAU, Marcos et al. Comunicação e semiótica: visão geral e introdutória à Semiótica de Peirce. Revista Eletrônica Temática, ano 6, n. 8, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3Tu4sFO. Acesso em: 22 jun. 2021.

PELBART, Peter Pál. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PEREZ, Clotilde. Signos da marca: expressividade e sensorialidade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

PONTES, Fernando; TAVARES, Fred. Ecosofia das marcas: as três ecologias na publicidade verde. Curitiba: Appris, 2017.

SANTAELLA, Lucia. O método anticartesiano de C. S. Peirce. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2007.

SILVA, Nilza. Subjetividade. In: JACQUES, Maria da Graça Correa et al. Psicologia social contemporânea: livro-texto. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 167-179.

TAVARES, Fred. Discurso publicitário e consumo: uma análise crítica. Rio de Janeiro: E-papers, 2005.

TAVARES, Fred. Natureza S/A: o ecopoder dos atores sociais e a produção do consumo verde no Brasil através do olhar de um Rizoma. Revista de Administração da UEG, Aparecida de Goiânia,

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

Novos modos de ação do capitalismo contemporâneo? Uma análise sobre a atuação da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) pelo olhar das categorias de Peirce. Signos do Consumo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. e195646, 2022. DOI: 10.11606/issn.1984-5057.v14i2e195646. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/195646.. Acesso em: 25 jul. 2024.