Transformar sim, perder a essência jamais: o conto de chapeuzinho vermelho como texto publicitário

  • João Batista Freitas Cardoso Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Danuza Pessoa Polistchuk Universidade Municipal de São Caetano do Sul
Palavras-chave: propaganda, conto de fadas, imagem, texto cultural

Resumo

Este estudo apresenta como os contos de fadas, enquanto códigos culturais, podem ser reconhecidos, mesmo com as mudanças sofridas ao longo do tempo, por meio da análise de seis peças publicitárias que têm o conto Chapeuzinho Vermelho como conceito criativo. A partir dos conceitos de texto cultural da semiótica russa e das teorias da imagem de Gombrich foi possível reconhecer como códigos o capuz vermelho e o lobo-mau e apontar as transformações na narrativa para que se adequasse aos objetivos dos anunciantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista Freitas Cardoso, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Doutor e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, com Pós-Doutorado em Comunicação pela ECA-USP. Professor no Programa de Mestrado em Comunicação da USCS. Professor nas universidades Mackenzie e Santa Cecília. Lider do Grupo de Pesquisa “O signo visual nas mídias” (CNPq).
Danuza Pessoa Polistchuk, Universidade Municipal de São Caetano do Sul
Mestranda em comunicação, com bolsa Capes, pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), especialista em marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e publicitária graduada pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).
Publicado
2013-12-19