Matriciamento: uma experiência ambulatorial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.152139

Palavras-chave:

Transtornos relacionados ao uso de substâncias, Equipe de assistência ao paciente, Visitas com preceptor, Terapia ocupacional, Matriciamento, Saúde mental

Resumo

Objetivo: compreender a construção do matriciamento em um serviço de atenção a dependentes. Método: trata-se de uma pesquisa-ação realizada nos últimos sete anos, considerando as experiências de uma terapeuta ocupacional durante suas atividades no serviço, abrangendo reuniões clínicas, supervisões, grupos de estudos e capacitações. Os materiais utilizados foram prontuários, registros de supervisão e reunião e anotações pessoais. Resultados: as demandas de cada sujeito são abordadas para além das especificidades de cada área. Os saberes são transmitidos nos encontros de equipe, permitindo, a quem está lidando diretamente com o caso, uma ampliação em sua compreensão e a experimentação de instrumentos clínicos construídos junto dos colegas. O processo de construção de trabalho com cada sujeito, matriciado constantemente entre os profissionais, permite, àquele que oferece a atenção, maior apropriação da construção clínica. Tal fenômeno também ocorre durante capacitações oferecidas pelo serviço a outras equipes de saúde. Conclusão: os espaços coletivos consideram a compreensão do sujeito por diversas perspectivas, mesmo sem contato direto com o indivíduo, a partir das narrativas de um dos profissionais e de hipóteses dos demais membros da equipe, ampliando as possibilidades de cuidado. O trabalho em projetos terapêuticos propaga-se pela instituição e em capacitações de outras equipes, permitindo a circulação...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Chiaverini DH, org. Guia prático de matriciamento em saúde mental. [Internet] Brasília (DF): Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva; 2011 [Acesso 6 dez 2018]. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf>

Ministério da Saúde (BR). Cadernos de Atenção Básica, n. 34. [Internet] Brasília (DF): Ministério da Saúde: Secretaria de Atenção à Saúde; 2013. [Acesso 6 dez 2018]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_34.pdf

Portaria no 3.088, de 23 de dezembro de 2011 (BR). Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [Internet] Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011. [Acesso 6 dez 2018]. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html>

Portaria no 3.588, de 21 de dezembro de 2017 (BR). Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. [Internet] Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017. [Acesso 2 set 2020]. Disponível em:< http:/bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html>

Nota técnica no 11, de 04 de fevereiro de 2019 (BR). Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas [Internet] Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019. [Acesso 2 set 2020]. Disponível em:< http:<http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/cuidados_prevencao_drogas/obid/legislacao/nota_saudemental.pdf >

Campos GWS. Um método para análise e cogestão de coletivos. 5 ed. São Paulo (SP): Hucitec Editora; 2015. 236 p.

Deslandes SF. Concepções em pesquisa social: articulações com o campo da avaliação em serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 1997;13(1):103-7. doi; https://doi.org/10.1590/S0102-311X1997000100020.

Serapioni M. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):187-92. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100016.

Minayo MCS, org. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 30 ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2011. 96 p.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Perrone, M. B., & Fidalgo, T. M. (2021). Matriciamento: uma experiência ambulatorial. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 17(1), 26-31. https://doi.org/10.11606/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.152139