Autolesão não suicida em adolescentes: Terapia Comunitária Integrativa como estratégia de partilha e de enfrentamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.155736

Palavras-chave:

Adolescente, Autolesão não suicida, Estratégias de enfrentamento, Saúde escolar, Enfermagem

Resumo

Objetivo: apreender por meio da Terapia Comunitária Integrativa (TCI) os fatores relacionados à autolesão não suicida em adolescentes e à contribuição da mesma para as estratégias de enfrentamento. Método: estudo qualitativo, conduzido com adolescentes que participaram das rodas de Terapia Comunitária Integrativa, as quais foram gravadas e
registradas em diário de campo. Utilizou-se análise temática e fundamentou-se no Modelo de Habilidades de Vida. Resultados: a autolesão emergiu em seis rodas, como tema ou envolto a outro sofrimento vivenciado pelas adolescentes mulheres. Foram evidenciadas as categorias “Adolescência e autolesão não suicida: alívio da angustia”, “Roda de Terapia Comunitária Integrativa: espaço terapêutico” e suas subcategorias. Conclusões: as adolescentes encontram na autolesão não suicida uma forma para materializar e aliviar o sofrimento decorrente de múltiplos fatores. A Terapia Comunitária revelou um espaço vivo de partilha e de ressignificação do sofrimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [Acesso 15 set 2017]. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf 2.Arcoverde RL, Soares LSLC. Funções Neuropsicológicas Associadas a Condutas Autolesivas: Revisão Integrativa de Literatura. Psicol Reflex Crít. 2012; 25(2): 293-300. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722012000200011

Araujo JFB, Chatelard DS, Carvalho IS, Viana TC. O corpo na dor: automutilação, masoquismo e pulsão. Estilos Clín. 2016; 21(2): 497-515. doi: http://dx.doi.org/http//dx.doi.org/0.11606/issn.1981-1624.v21i2p497-515.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy AB, Zwi AB, Lozano R. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002. [cited Jun 22 2020]. Available from: https://opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf

Lenkiewicz K, Racicka E, Bryńska, A. Self-injury- placement in mental disordes classifications, risk factors and primary mechanisms. Review of the literature. Psychiatr Pol. 2017; 51(2): 323–34. doi: https://doi.org/10.12740/PP/62655 6.Guerreiro DF, Sampaio D. Comportamentos autolesivos em adolescentes: uma revisão da literatura com foco na investigação em língua portuguesa. Rev Port Saúder Pública. 2013; 31(2): 204-13. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.rpsp.2013.05.001

Hall B, Place M. Cutting to cope - a modern adolescent phenomenon. Child Care Health Dev. 2010; 36(5): 623-9. doi: 10.1111/j.1365-2214.2010.01095.x

Plener PL, Kaess M, Schmahl C, Pollak S, Fegert IM, Brown R. Nonsuicidal self-injury in adolescents. Dtsch Arztebl Int. 2018; 115(3): 23–30. doi: 10.3238/arztebl.2018.0023.

Radziwillowicz W, Lewandowsk M. From traumatic events and dissociation to body image and depression symptoms - in search of self-destruction syndrome in adolescents who engage in nonsuicidal self-injury. Psychiatr Pol. 2017;51(2):283–301. doi: https://doi.org/10.12740/PP/63801

Barreto AP. Terapia Comunitária: passo a passo. 4 ed. Fortaleza: Gráfica LCR; 2008.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criterio for reporting qualitative research (COREQ): a 32- item checklist for interviews and focus group. Int Qual Health Care. 2007; 19(6):349–57. doi: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

World Health Organization (WHO). Programme on Mental Health: Division of Mental Health, Life Skills Education in Schools. Genebra;1997.

Crowell SE, Beauchaine TP, Hsiao RC, Vasilev CA, Yaptangco M, Linehan MM. Differentiatig adolescent self-injury from adolescent depression: possible implications for bordeline personality development. J Abnorm Child Psychol. 2012; 40(1):45–57. doi: https://doi.org/10.1007/s10802-011-9578-3

Rasmussen S, Hawton K, Philpott-Morgan S, O Connor RC. Why do adolescentes self-harm? 2016; 37(3):176-83. doi: 10.1027/0227-5910/a000369

Jorge JC, Queiros O, Saraiva J. Descodificação dos comportamentos autolesivos sem intenção suicida. Estudo qualitativo das funções e significados na adolescência. Aná Psicol. 2015; 33(2):207-19. doi: http://dx.doi.org/10.14417/ap.991.

Fortes I, Macedo MMK. Self-mutilation in adolescence – scratches in the otherness experience. Psicogente. 2017; 20 (38):353-67. doi: http://doi.org/10.17081/psico.20.38.2556 18.Damous I, Klautau P. Marcas do infantil na adolescência: automutilação como atualização de traumas precoces. Tempo Psicanal. [Internet]. 2016;48(2):95-113. [Acesso 20 maio 2017]. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v48n2/v48n1a07.pdf

Vilhena M, Prado YZC. Dor, angústia e automutilação em jovens – considerações psicanalíticas. Adolesc Saúde. [Internet]. 2015; 12(2):94-8. [Acesso 30 jun 2017]. Disponível em: http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=507

Drieu D, Proia-Lelouey N, Zanello F. Ataques ao corpo e traumatofilia na adolescência. Ágora. (Rio Janeiro). 2011; 14 (1):9-20. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982011000100001.

Nascimento TLN. Bullying: a realidade dolorida de um fenômeno sem distinção de gêneros. Em Aberto. [Internet]. 2014; 27(92):89-98. doi: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.27i92.2442

Hay C, Meldrum R. Bullying victimization and adolescent self-harm: testing hypotheses from general strain theory. J Youth Adoesc. 2010; 39:446-59. doi: 10.1007/s10964-009-9502-0

Albuquerque GA, Parentez JS, Bélem JM, Garcia CL. Violência psicológica em lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no interior do Ceará, Brasil. Saúde Debate. 2016; 40(109):100-11. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201610908.

Bresin K, Gordon KH. Endogenous opioids and nonsuicidal self-injury: a mechanism of affect regulation. Neurosci Biobehav Rev. 2013; 37:374:83. doi: 10.1016/j.neubiorev.2013.01.020

Cedaro JJ, Nascimento JPG. Dor e gozo: relatos de mulheres jovens sobre automutilações. Psicol. 2013; 24(2):203-23. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642013000200002.

Zago FC, Bredariol ACP, Mesquita DP. A aplicação da Terapia Comunitária na intervenção com adolescentes: novas estratégias de prevenção e promoção. Cad Bras Ter Ocup. 2013; 21(2):361-71. doi: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2013.037

Rocha IA, Sá ANP, Braga LAV, Ferreira MO Filha, Dias MD. Community Integrative Therapy: situations of emotional suffering and patients’ coping strategies. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(2):155-62. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472013000300020.

Silva FR, Assis SG. Prevenção da violência escolar: uma revisão da literatura. Educ Pesqui. 2018; 24. e157305. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1517-9702201703157305.

Leme VBR, Del Prette ZAP, Coimbra S. Social skills, social support and well-being in adolescents of different family configurations. Paidéia. 2015;25(60):9-18. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272560201503.

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Felipe, A. O. B., Resck, Z. M. R., Bressan, V. R., Vilela, S. de C., Fava, S. M. C. L., & Moreira, D. da S. (2020). Autolesão não suicida em adolescentes: Terapia Comunitária Integrativa como estratégia de partilha e de enfrentamento. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 16(4), 75-84. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.155736