Humanização no cuidado em saúde mental: compreensões dos enfermeiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2021.164401

Palavras-chave:

Enfermagem psiquiátrica, Cuidados de enfermagem, Saúde mental, Humanização da assistência

Resumo

Objetivo: conhecer as compreensões dos enfermeiros sobre humanização no cuidado em saúde mental. Método: tratase de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, realizada com 12 enfermeiros em um hospital psiquiátrico do interior do Nordeste, Brasil, no período de setembro de 2014 a março de 2015. Para a coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada, observação não participante e observação dos registros de Enfermagem, analisando-os a partir da Análise de Conteúdo de Bardin. Resultados: emergiram quatro categorias: acolhimento, autonomia, protagonismo e corresponsabilidade. O cuidado  humanizado aparece atrelado ao modelo manicomial, culminando em práticas focadas no uso da medicação, ações desarticuladas e sem participação do paciente no tratamento. A percepção da humanização é de dificuldade de atenção às pessoas em crises psíquicas, o que inviabiliza a produção do cuidado integral. Conclusão: o estudo contribui para a reflexão do cuidado de Enfermagem em saúde mental onde é preciso modificar as relações que o discurso biomédico mantém com os que buscam uma prática humanizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deivson Wendell da Costa Lima, Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Departamento de Enfermagem Psiquiátrica

Mestre em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2012). Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN e coordenador do Centro Regional de Referência para Formação em Políticas sobre Drogas - CRR/UERN. 

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Cadernos HumanizaSUS: formação e intervenção. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Morschel A, Barros MEB. Processos de trabalho na saúde pública: Humanização e efetivação do Sistema Único de Saúde. Saúde Soc. [Internet]. 2014;23(3):928-41. [Acesso 27 nov 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902014000300928&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300016.

Martins CP, Luzio CA. Política HumanizaSUS: ancorar uma nave no espaço. Interface. (Botucatu). [Internet]. 2017; 21(60):13-22. [Acesso 2 dez 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832017000100013&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0614.

Chernicharo IM, Silva FD, Ferreira MA. Description of the term humanization in care by nursing professionals. Esc Anna Nery. [Internet]. 2014;18(1):156-62. [Acesso 2 dez 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452014000100156&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140023.

Santos ST, Lima FAC. Interfaces da política nacional de humanização de assistência à saúde de pessoas com transtorno mental. Rev Iberoam Educ Invest Enferm. [Internet]. 2017; 7(3):65-77. [Acesso 10 dez 2017]. Disponível em: https://www.enfermeria21.com/revistas/aladefe/articulo/261/interfaces-da-politica-nacional-de-humanizacao-de-assistencia-a-saude-de-pessoas-com-transtorno-mental/.

Branco ABAC, Bosi MLM. Integralidade e humanização em saúde mental: experiências de usuários em dois centros de atenção psicossocial. Cad Saúde Coletiva. [Internet]. 2014;22(2):221–2. [Acesso 16 dez 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2014000200221&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400020018.

Oliveira LC, Silva RAR, Medeiros MN, Queiroz JC, Guimarâes J. Humanized care: discovering the possibilities in the practice of nursing in mental health. J Res Fundam Care. online. [Internet]. 2015;7(1):1774-82. [cited Dec 16 2017]. Available from: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3396/pdf_1402.

Bardin L. Análise de conteúdo. 5ª ed. Lisboa: Edições 70; 2011. 229 p.

Lima DWC, Silveira LC, Vieira AN, Cunha BMC , Almeida ANS, Guerreiro EM. Theoretical references that guide nursing practice in mental health. Esc Anna Nery. [Internet]. 2014;18(2):336–42. [cited Jan 12 2018]. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452014000200336&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140049.

Maynart WHDC, Albuquerque MCDS, Brêda MZ, Jorge JS. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paul Enferm. [Internet]. 2014;27(4):300–3. [Acesso 18 jan 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002014000400003&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400051.

Baptista MKS, Santos RM, Duarte SJH, Comassetto I, Trezza MCSF. The patient and the relation between power-knowledge and care by nursing professionals. Esc Anna Nery. [Internet]. 2017;21(4):1–9. [cited Jan 20 2018]. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000400205&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0064.

Pegoraro RF, Bastos LSN. Experiências de acolhimento segundo profissionais de um centro de atenção psicossocial. Rev Enferm Atenção Saúde Online. [Internet]. 2017;6(1):3-17. [Acesso 18 jan 2018]. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/1525/pdf.

Dutra VFD, Bossato HR, Oliveira RMP. Mediar a autonomia: um cuidado essencial em saúde mental. Esc Anna Nery. [Internet]. 2017;21(3):e20160284. [Acesso 2 dez 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000300205&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0284.

Yasui S, Luzio CA, Amarante P. From manicomial logic to territorial logic: Impasses and challenges of psychosocial care. J Health Psychol. [Internet]. 2016;21(3):400-8. [cited Jan 23 2018]. Available from: doi: 10.1177/1359105316628754.

Almeida ANS, Feitosa RMM, Boesmans EF, Silveira LC. Cuidado clínico de enfermagem em saúde mental: reflexões sobre a prática do enfermeiro. J Res Fundam Care online. [Internet]. 2014; 6(1):213-34. [Acesso 23 jan 2018]. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=505750621016.

Costa DFC, Paulon SM. Social participation and protagonism in mental health: the rising of a collective. Saúde Debate. [Internet]. 2012;36(95):572-82. [cited Fev 03 2018]. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000400009&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000400009.

Lima DWC, Silveira LC, Vieira AN. A escuta terapêutica no cuidado clínico de enfermagem em saúde mental. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2015;24(1):154-60. [Acesso 23 fev 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00154.pdf.

Lima MS, Aguiar ACL, Sousa MMS. O cuidado compartilhado em saúde mental como potencial de autonomia do usuário. Psicol Estud. [Internet]. 2015;20(4):675-86. [Acesso 3 fev 2018]. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2871/287145780015.pdf.

Abreu TFK, Amendola F, Trovo MM. Tecnologias relacionais como instrumentos para o cuidado na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2017;70(5):981-7. [Acesso 3 fev 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672017000500981&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0337

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Lima, D. W. da C., Paixão, A. K. R., Bezerra, K. P., Freitas, R. J. M. de, Azevedo, L. D. S., & Morais, F. R. R. (2021). Humanização no cuidado em saúde mental: compreensões dos enfermeiros. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 17(1), 58-65. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2021.164401