SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://www.revistas.usp.br/smad <p><strong>SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas</strong> é uma revista on line, de acesso aberto, avaliada por pares, que recebe manuscritos de pesquisas que abordam todos os aspectos da saúde mental, uso de álcool, tabaco e outras drogas psicotrópicas sob diversos enfoques (psicossocial e da neurociência).</p> <p>São aceitas contribuições de pesquisadores de diversas áreas do conhecimento cujo objeto de pesquisa se refira aos conteúdos apresentados.</p> <p><strong><em>Idioma de submissão</em></strong></p> <p>Português, inglês ou espanhol</p> <p><strong><em>Missão</em></strong></p> <p>Compartilhar experiências e conhecimento produzidos por trabalhadores e pesquisadores da área de saúde mental, álcool e drogas.</p> pt-BR smad@eerp.usp.br (SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas) smad@eerp.usp.br (Seção de Comunicação e Publicações - EERP/USP) Ter, 18 Mai 2021 00:01:01 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Uma abordagem atual da utilização de antidepressivos no manejo da depressão pós-parto https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/159781 <p>Objetivo: caracterizar a utilização de antidepressivos no manejo da depressão pós-parto. Método: empregou-se uma revisão integrativa de literatura, das bases de dados PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde, com aplicação de descritores, visando responder a pergunta norteadora do trabalho, entre os dias 25 de fevereiro e 10 de março de 2019. Com base nos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados 23 artigos que, posteriormente, foram submetidos à categorização. Resultados: a sertralina deve ser a droga de escolha para o tratamento farmacológico da depressão puerperal. Constatou-se também, que a utilização profilática de antidepressivos em mulheres susceptíveis é contestável e pouco se sabe sobre os possíveis efeitos colaterais. Ademais, foi encontrado que não há consenso sobre a superioridade da terapia farmacológica em detrimento às psicoterapias. Conclusão: há evidencias que fundamentam o uso de sertralina, paroxetina, duloxetina, nortriptilina e imipramina para tratar mulheres com depressão pós-parto, sendo a amamentação sempre recomendada. Ressalta-se que emerge a necessidade de estudos com amostras representativas para validar ou restringir o uso de psicofármacos na profilaxia da depressão puerperal.</p> Thiago Guimarães Da-Silva, Pedro Fonseca de Vasconcelos, Ivan Gilson Silva Moura Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/159781 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Binge drinking e fatores associados em indígenas da etnia Karipuna https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167996 <p>Objetivo: identificar a prevalência do uso em binge em indígenas Karipuna e verificar a associação desse uso com variáveis sociodemográficas, clínicas e comportamentais da amostra. Método: trata-se de um estudo transversal realizado com 230 indígenas de 12 aldeias Karipuna em Oiapoque. Obteve-se o rastreio do uso em binge por meio da Questão-Chave. Coletaram-se os dados entre maio e dezembro de 2017. Realizaram-se, a priori, a análise de frequência das variáveis envolvidas no estudo e, na sequência, o teste qui-quadrado e o modelo de regressão logística. Resultados: revela-se que a prevalência do uso em binge foi de 24,8% de uma a três vezes; de 20,4% de quatro a seis vezes; de 12,2% de sete a dez vezes e de 9,6% em mais de dez vezes. Associaramse os seguintes fatores: estudante (OR=2,99); migração da aldeia de origem (OR=2,22); uso de preservativo (OR=2,62) e relações sexuais após o consumo de álcool (OR=1,61).<br />Conclusão: alerta-se que o uso ocasional de risco de álcool demanda consideração, bem como o conhecimento das particularidades da população ora investigada, a fim de estabelecer controle, planejamento de recursos terapêuticos para que se alcancem resultados efetivos nas ações planejadas e principalmente nas que são adotadas na prática a fim ...</p> Fernanda Matos Fernandes Castelo-Branco, Divane de Vargas Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167996 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Facilidades de adesão familiar no tratamento da dependência química: percepção dos familiares https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/150251 <p>Objetivo: analisar a percepção do membro familiar sobre as facilidades de adesão da família ao tratamento do dependente químico em acompanhamento no Centro de Atenção Psicossocial - álcool e drogas. Método: estudo qualitativo, realizado de abril a setembro de 2016, com 10 familiares de usuários de drogas, participantes de grupos de família. Realizou-se entrevista semiestruturada e os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo temática. Resultados: as famílias reconheceram que criar alianças terapêuticas, ter esperança na recuperação de seu parente e valorizar seus papéis participativos no tratamento familiar facilitam a adesão terapêutica. Conclusão: o estudo contribui para a reflexão dos profissionais de saúde quanto às possíveis áreas estratégicas para o cuidado às famílias, de modo a ajudá-las na adesão terapêutica. </p> Ana Carolina Belmonte Assalin, Sonia Regina Zerbetto, Bianca Oliveira Ruiz, Priscila Souza Cugler, Sarah Salvador Pereira Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/150251 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Matriciamento: uma experiência ambulatorial https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/152139 <p>Objetivo: compreender a construção do matriciamento em um serviço de atenção a dependentes. Método: trata-se de uma pesquisa-ação realizada nos últimos sete anos, considerando as experiências de uma terapeuta ocupacional durante suas atividades no serviço, abrangendo reuniões clínicas, supervisões, grupos de estudos e capacitações. Os materiais utilizados foram prontuários, registros de supervisão e reunião e anotações pessoais. Resultados: as demandas de cada sujeito são abordadas para além das especificidades de cada área. Os saberes são transmitidos nos encontros de equipe, permitindo, a quem está lidando diretamente com o caso, uma ampliação em sua compreensão e a experimentação de instrumentos clínicos construídos junto dos colegas. O processo de construção de trabalho com cada sujeito, matriciado constantemente entre os profissionais, permite, àquele que oferece a atenção, maior apropriação da construção clínica. Tal fenômeno também ocorre durante capacitações oferecidas pelo serviço a outras equipes de saúde. Conclusão: os espaços coletivos consideram a compreensão do sujeito por diversas perspectivas, mesmo sem contato direto com o indivíduo, a partir das narrativas de um dos profissionais e de hipóteses dos demais membros da equipe, ampliando as possibilidades de cuidado. O trabalho em projetos terapêuticos propaga-se pela instituição e em capacitações de outras equipes, permitindo a circulação...</p> Marina Bianco Perrone, Thiago Marques Fidalgo Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/152139 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Nutrizes usuárias de drogas e o desfecho da amamentação: estudo de coorte https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/156968 <p>Objetivo: conhecer o desfecho do aleitamento materno de mães usuárias de drogas lícitas e ilícitas, verificar a gravidade da dependência e relacionar com o tempo de aleitamento. Método: estudo de coorte com 108 mulheres. Utilizou-se o Alcohol Smoking and Substance Involvement Screening Test para estabelecer a dependência a drogas. A manutenção da amamentação foi avaliada no 7°, 15° e 30° dias de nascimento. Para avaliar a continuidade do aleitamento materno, utilizou-se análise de sobrevivência de Kaplan-Meier e de Cox. Resultados: a maconha teve escore de uso abusivo para 42,6% das mães e a cocaína para 37%. A média de aleitamento foi de 28,8 dias. O uso abusivo de tabaco e álcool representou, respectivamente, 6,6 e 11 vezes mais risco de descontinuar a amamentação. Não foi possível estabelecer a mesma relação para maconha e cocaína. Conclusão: as mães usuárias de drogas praticaram o aleitamento exclusivo, mesmo aquelas que consomem maconha e cocaína de modo abusivo. O consumo de drogas, mesmo lícitas, representa um risco para o desmame precoce.</p> Silmara de Fátima Teixeira Ribeiro, Rosa Aurea Quintella Fernandes Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/156968 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Idosos atendidos em um Serviço de Urgência e Emergência Psiquiátrica https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/158278 <p>Objetivo: caracterizar os idosos atendidos em um Serviço de Urgência e Emergência Psiquiátrica quanto ao perfil sociodemográfico, diagnóstico psiquiátrico, prescrição de medicamentos e conduta médica e avaliar suas associações com o sexo. Método: estudo transversal, quantitativo, em que os dados foram obtidos a partir dos prontuários de pacientes atendidos no referido serviço, entre julho/2015 e junho/2016. A variável independente foi o sexo e as dependentes foram: idade; procedência; informante; tratamento psiquiátrico anterior; diagnóstico; medicamentos prescritos e conduta. Resultados: nos 152 prontuários analisados, observam-se idade prevalente entre 60 a 69 anos, maioria de mulheres, procedência do município local e comparecimento com acompanhante. Os diagnósticos prevalentes são a esquizofrenia e os transtornos mentais e comportamentais decorrentes do uso de substâncias psicoativas. As medicações prescritas com maior frequência são da classe dos antipsicóticos e anti-histamínicos, seguidas dos ansiolíticos/sedativos. O critério de Beers considera a prescrição de medicamentos do grupo dos benzodiazepínicos, antipsicóticos e anti-histamínicos inapropriada para idosos. A principal conduta foi a alta, sem encaminhamento a outro serviço. Conclusão: embora haja incentivo do Ministério da Saúde, com a criação de novas políticas de saúde mental, muitos profissionais mantêm o modelo de atendimento baseado na queixa e conduta, dificultando a reabilitação psicossocial dos pacientes.</p> Mayara Giuli dos Santos Cordeiro, Márcia Aparecida Padovan Otani, Flávia Cristina Goulart, Osni Lazaro Pinheiro, Maria José Sanches Marin, Carlos Alberto Lazarini Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/158278 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Grau de dependência à nicotina de pacientes atendidos para tratamento do tabagismo em universidade pública https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/163327 <p>Objetivo: identificar o grau de dependência à nicotina e dados sociodemográficos segundo o gênero dos pacientes atendidos pelo projeto de extensão Educando e Tratando o Tabagismo promovido por uma universidade pública. Método: estudo transversal, com dados provenientes de 361 prontuários de pacientes que participantes do projeto no período de 2014 a 2018. Realizou-se o teste de Fagerström, por meio do qual classificou-se os pacientes com grau de dependência: muito baixo, baixo, médio, elevado e muito elevado de acordo com a soma dos pontos obtidos nas questões aplicadas. Resultados: a predominância no grau de dependência a nicotina foi observada no sexo feminino com maiores percentuais de classificação para dependência elevada e muito elevada, 33,5% e 25,3% respectivamente. Entre os homens verificouse grau de dependência elevado 28,1% e baixo 21,9%. Contatou-se que o grau de dependência química a nicotina esteve associada a dependência física (valor-p=0,002) e psicológica (valor-p=0,003). Conclusão: a evidência de maior frequência de indivíduos com alto grau de dependência química à nicotina demonstra a importância da associação de terapias medicamentosas com abordagens cognitivas comportamentais por meio de intervenções de enfermagem, relacionadas ao controle e cessação do tabagismo por meio da educação em saúde.</p> Rafael da Rosa Maciel, Lidia Dalgallo, Erildo Vicente Müller, Elaine Cristina Antunes Rinaldi Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/163327 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Humanização no cuidado em saúde mental: compreensões dos enfermeiros https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/164401 <p>Objetivo: conhecer as compreensões dos enfermeiros sobre humanização no cuidado em saúde mental. Método: tratase de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, realizada com 12 enfermeiros em um hospital psiquiátrico do interior do Nordeste, Brasil, no período de setembro de 2014 a março de 2015. Para a coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada, observação não participante e observação dos registros de Enfermagem, analisando-os a partir da Análise de Conteúdo de Bardin. Resultados: emergiram quatro categorias: acolhimento, autonomia, protagonismo e corresponsabilidade. O cuidado humanizado aparece atrelado ao modelo manicomial, culminando em práticas focadas no uso da medicação, ações desarticuladas e sem participação do paciente no tratamento. A percepção da humanização é de dificuldade de atenção às pessoas em crises psíquicas, o que inviabiliza a produção do cuidado integral. Conclusão: o estudo contribui para a reflexão do cuidado de Enfermagem em saúde mental onde é preciso modificar as relações que o discurso biomédico mantém com os que buscam uma prática humanizada.</p> Deivson Wendell da Costa Lima, Ana Karla Ramalho Paixão, Kelianny Pinheiro Bezerra, Rodrigo Jácob Moreira de Freitas, Lívia Dayane Sousa Azevedo, Fátima Raquel Rosado Morais Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/164401 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 A percepção dos trabalhadores de saúde mental sobre a atuação do redutor de danos https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/165211 <p>Objetivo: conhecer a percepção dos trabalhadores sobre a atuação do redutor de danos em um Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras drogas (CAPSad), assim colaborando com a problematização e transformação da realidade do cuidado aos usuários de álcool e outras drogas. Método: trata-se de uma pesquisa qualitativa e exploratória, de caráter descritivo, realizada com profissionais de um CAPSad da cidade de Sant’Ana do Livramento por meio da técnica de Grupo Focal Narrativo (GFN). Para realizar a análise dos dados, o conteúdo foi transformado em narrativa de grupo. Resultados: apontou-se a discussão frente à percepção da figura do redutor de danos e sua inter-relação no cotidiano da clínica em saúde mental, apresentando potências e desafios. Conclusão: evidencia-se a importância do papel que a redução de danos ocupa no âmbito da Reforma Psiquiátrica Brasileira. A figura do redutor de danos no serviço é de que este profissional tem como capacidade a criação de vínculos, realização de um acolhimento efetivo e que pode auxiliar na desconstrução do estigma que o usuário de substâncias sofre perante a sociedade, sendo uma ferramenta potente para a construção e transmutação na vida das pessoas.</p> Diego Fernandes Leal, Vanessa Alvez Mora da Silva, Luana Ribeiro Borges, Sandra Beatris Diniz Ebling, Aline Ost dos Santos Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/165211 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Treinamento em transtornos mentais comuns na enfermaria: uso de metodologias ativas na construção do cuidado https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/168134 <p>Objetivo: analisar a percepção de enfermeiras atuantes em leitos psiquiátricos de um hospital geral sobre a realização de um treinamento em saúde mental com a utilização de metodologias ativas. Método: pesquisa do tipo descritiva, exploratória, com abordagem qualitativa, realizada em um hospital geral de grande porte, com cinco enfermeiras, no período de junho a novembro de 2019. A coleta de dados consistiu em duas etapas: realização e avaliação do treinamento. Para a realização do treinamento, utilizaram-se metodologias ativas, com foco na aprendizagem baseada em problemas e problematização. A avaliação do treinamento foi realizada por meio de entrevista semiestruturada, elaborada segundo o modelo proposto por Kirkpatrick, e os dados analisados por meio da análise de conteúdo temática de Bardin. Resultados: os enfermeiros consideraram o treinamento positivo e desenvolveram habilidades como abordagem terapêutica, escuta ativa e mudança de comportamento. Conclusão: o treinamento foi eficaz na construção do conhecimento, promovendo transformações e reflexões significativas na aprendizagem de enfermeiros, além de contribuir com a produção de habilidades e atitudes na área de saúde mental, valorizando a aprendizagem significativa.</p> Marília Girão de Oliveira Machado, Cynthia Lima Sampaio Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/168134 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Alcoolismo: impactos na vida familiar https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/168374 <p>Objetivo: identificar os problemas acarretados pelo consumo excessivo do álcool, bem como as consequências que ele traz à família. Método: o instrumento utilizado foi uma entrevista semiestruturada, com roteiro composto por 12 questões elaboradas pelos próprios pesquisadores, para responder às temáticas propostas. Para a análise das entrevistas, utilizou-se a Análise do Conteúdo e, como ferramenta de análise, empregou-se o software NVivo11, destinado ao tratamento de dados em investigação qualitativa. Resultados: durante o tratamento das entrevistas, elaboraram-se uma árvore categorial, que apresenta o álcool como núcleo, e quatro nós categoriais como aspectos principais da entrevista, sendo eles: início do uso; consequências para a família; problemas pelo consumo excessivo e ajuda. Conclusão: podem-se depreender as consequências negativas que o uso excessivo do álcool gera para as relações familiares, sendo este o eixo da vida de um alcoolista mais devastado. Além disso, é importante salientar que o mesmo eixo familiar destruído é base para a retomada de uma mudança como respaldo para a procura de auxílio de entidades competentes, como os Alcóolicos Anônimos.</p> Ketlen Patrycia Alves Cordeiro, Lavinia Luzia Gomes Souza, Raquel Schwenck de Mello Vianna Soares, Ludmila Cotrim Fagundes, Wellington Danilo Soares Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/168374 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Prevalência, severidade e fatores associados à depressão em estudantes universitários https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167804 <p>Objetivo: identificar a prevalência, a severidade e os fatores associados à depressão entre estudantes universitários no Distrito Federal. Método: estudo transversal realizado com 521 estudantes universitários, com idade entre 18 e 60 anos. Os sintomas depressivos foram avaliados através da escala Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9). Utilizou-se estatística descritiva e o teste do qui-quadrado. Resultados: dentre os 521 indivíduos estudados, houve predomínio do sexo feminino. A prevalência de sintomas depressivos foi de 521 (96,6%) estudantes universitários, sendo 31,3% com depressão suave, 23,4%, depressão mínima, 13,1% depressão moderadamente grave, 9,6% depressão grave e 9,2% depressão moderada. A renda familiar e o semestre cursado são fatores associados para a severidade da depressão. Conclusão: a prevalência da depressão no ambiente universitário é comum, sendo uma proporção alta e preocupante. É crucial o rastreamento da depressão, sua severidade e seus fatores associados, a fim de estimular reflexão sobre a temática e pensar em estratégias de intervenção para a prevenção e promoção da saúde mental.</p> Larissa Barreto dos Santos, Karina Gomes do Nascimento, Andréia Guedes Oliva Fernandes, Talita de Cássia Raminelli-da-Silva Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167804 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Promoção da diversidade, da inclusão e da participação no processo de reabilitação https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/185463 Christoph Käppler, Fabiana Faleiros Copyright (c) 2021 SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/185463 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300 Diversidade e alteridade no cuidado em saúde mental: marcadores e costuras para o trânsito da pandemia https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/185869 Fabio Scorsolini-Comin Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/ https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/185869 Qua, 31 Mar 2021 00:00:00 -0300