Gilbert Simondon e uma filosofia biológica da técnica

Autores

  • Wendell Evangelista Soares Lopes Universidade Federal de Mato Grosso; Departamento de Filosofia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200004

Resumo

ResumoO presente artigo visa mostrar o significado da filosofia biológica da técnica em Gilbert Simondon. Essa rubrica coloca em ação uma leitura da filosofia da técnica do filósofo francês como uma ontologia regional no interior de sua ontologia geral ontogenética, que, nesse regime específico, baseia-se em um modelo do orgânico. Para tanto, mostraremos que a individuação dos objetos técnicos, sua concretização marcada pela superdeterminação funcional, obriga-nos a pensá-los em sua organicidade e desde uma organologia geral. Ademais, os conceitos de adaptação e de ambiente associado também contribuem enquanto aspectos biológicos que acompanham a concepção de Simondon do modo de existência dos seres técnicos. Como resultado, veremos que quanto mais concreto e adaptado - na série de sua evolução específica -, mais o objeto técnico se aproxima da individualidade propriamente biológica. Essa aproximação não terá, entretanto, o sentido de uma assimilação completa entre o técnico (especialmente, o maquínico) e o orgânico. Na autoprodução vital, permanece sempre um resto para além do maquínico, cuja demonstração é erigida por Simondon, por fim, com a ideia de uma origem vital absoluta dos objetos técnicos enquanto "mutação orientada". Apontaremos que tal origem não tem base meramente humana, mas se estende também para outras esferas do domínio vital.

Downloads

Publicado

2015-06-01

Como Citar

Lopes, W. E. S. (2015). Gilbert Simondon e uma filosofia biológica da técnica. Scientiae Studia, 13(2), 307-334. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200004

Edição

Seção

Artigos