Francis Bacon e a questão da longevidade humana

Autores

  • Luciana Zaterka Universidade Federal do ABC; Centro de Ciências Naturais e Humanas

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000300002

Resumo

Desde sempre, o homem foi perseguido pelo desejo de imortalidade. Encontramos nas mais diferentes tradições culturais reflexões sobre a possibilidade da longevidade humana. Do ponto de vista filosófico, localizamos na obra de Francis Bacon a primeira sistematização moderna sobre o tema. O pensador inglês acredita que, diferentemente dos antigos, teria descoberto um método "para introduzir espíritos jovens em um corpo velho" e conjecturou na sua importante História da vida e da mortecenários possíveis para a regeneração física do homem. Nesse sentido, introduziu a possibilidade de o homem exercer o do­mínio sobre a natureza, império esse não só praticado sobre a natureza externa (o mundo natural), mas também sobre si próprio e, no limite, sobre o próprio corpo humano. Assim, Bacon teria aberto as portas para o sonho moderno de introdução de técnicas cada vez mais numerosas e eficazes de "melho­ramento" dos indivíduos. Devemos prolongar a vida humana? Quais os "custos" desse prolongamento? A partir de então tais questões estão colocadas e permanecem mais atuais do que nunca.

Downloads

Publicado

2015-09-01

Como Citar

Zaterka, L. (2015). Francis Bacon e a questão da longevidade humana . Scientiae Studia, 13(3), 495-517. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000300002

Edição

Seção

Artigos