Neutralidade da ciência, desencantamento do mundo e controle da natureza

Autores

  • Marcos Barbosa de Oliveira Universidade de São Paulo; Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662008000100005

Palavras-chave:

Neutralidade, Desencantamento do mundo, Controle da natureza, Dominação da natureza, Eco-socialismo, Auto-controle, Autonomia, Lacey

Resumo

O objetivo deste ensaio é explorar o auto-controle como alternativa às práticas de controle ou dominação da natureza, no contexto dos problemas ecológicos, primeiro pelos indivíduos, depois pela sociedade e, por fim, pela ciência. O ponto de partida é uma análise em três componentes da tese da neutralidade da ciência, uma das quais a tese da neutralidade factual reflete o caráter puramente descritivo das proposições científicas e tem uma estreita ligação com o controle da natureza. A supervalorização do controle da natureza característica da modernidade, por sua vez, é vista como parte das causas dos problemas ecológicos, cuja superação demonstra a necessidade da adoção do auto-controle, não apenas pelos indivíduos, mas ainda mais crucialmente pela sociedade, sendo o auto-controle social incompatível com a dinâmica do sistema capitalista. Na seção final, identifica-se o auto-controle no domínio da ciência com a autonomia, mostra-se como a reivindicação tradicional da autonomia, baseada na neutralidade, não mais se sustenta, em virtude dos processos de mercantilização a que a ciência é submetida. Como conclusão, propõe-se uma modalidade alternativa de autonomia, em que a ciência é colocada não acima, mas ao lado de outras formas de conhecimento e outras instituições sociais.

Downloads

Publicado

2008-03-01

Como Citar

Oliveira, M. B. de. (2008). Neutralidade da ciência, desencantamento do mundo e controle da natureza . Scientiae Studia, 6(1), 97-116. https://doi.org/10.1590/S1678-31662008000100005

Edição

Seção

Artigos