Sobre o nascimento da ciência moderna: estudo iconográfico das lições de anatomia de Mondino a Vesalius

Autores

  • Maurício Chiarello Universidade Estadual de Campinas; Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662011000200004

Palavras-chave:

Ciência moderna, Autoridade, Evidência, Método experimental, Mecanicismo, Controle da natureza, Lição de anatomia, Mondino, Vesalius, Rembrandt

Resumo

A iconografia dos frontispícios dos tratados anatômicos de Mondino, Vesalius e Realdo Colombo, aqui sucintamente apresentada, permite acompanhar um aspecto central da revolução científica dos séculos xvi e xvii: o processo ao longo do qual a autoridade da palavra (dos textos da tradição escolástica) cede lugar para a evidência dos fatos (estabelecidos mediante a observação experimental). O notável desenvolvimento científico e técnico subsequente à consolidação do método matemático-experimental não se realizou, porém, livre de contradições. Inquietações associadas a questões controversas do progresso científico ulterior, como a redução do corpo vivo à matéria inerte e manipulável (própria do mecanicismo) e a sobrevalorização do poder de controle (própria da compulsão tecnológica), podem ser pressentidas desde muito cedo. É o que sugerimos pela interpretação de uma notável obra de arte do século xvii, "A lição de anatomia do Dr. Tulp", de Rembrandt.

Downloads

Publicado

2011-01-01

Como Citar

Chiarello, M. (2011). Sobre o nascimento da ciência moderna: estudo iconográfico das lições de anatomia de Mondino a Vesalius . Scientiae Studia, 9(2), 291-371. https://doi.org/10.1590/S1678-31662011000200004

Edição

Seção

Artigos