Causalidade e teoria quântica

Autores

  • Patrícia Kauark Leite Universidade Federal de Minas Gerais; Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas; Departamento de Filosofia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662012000100007

Palavras-chave:

Causalidade, Mecânica quântica, Neopositivismo, Neokantismo, Interpretação de Copenhague

Resumo

O desenvolvimento da teoria quântica, na primeira metade do século passado, acendeu um debate acalorado entre filósofos e físicos sobre a natureza das leis físicas e, em especial, sobre a validade do princípio de causalidade. Tendo em vista a teoria de Planck sobre a radiação, a interpretação probabilista de Max Born, as relações de incerteza de Heisenberg e o princípio de complementaridade de Bohr, muitos físicos colocaram em dúvida a causalidade clássica, cuja legitimidade parecia a princípio não mais estar assegurada no domínio quântico. O objetivo deste artigo é apresentar e discutir as diferentes posições em torno desse debate. Serão analisados, além dos argumentos levantados pelos intérpretes de Copenhague, aqueles sustentados por neopositivistas e neokantianos. Procuraremos mostrar que, a despeito dos antagonismos filosóficos, a posição adotada por Schlick nesse debate parece estar mais próxima de Cassirer do que de seu colaborador Reichenbach.

Downloads

Publicado

2012-01-01

Como Citar

Leite, P. K. (2012). Causalidade e teoria quântica . Scientiae Studia, 10(1), 165-177. https://doi.org/10.1590/S1678-31662012000100007

Edição

Seção

Artigos