Sistemática filogenética hennigiana: revolução ou mudança no interior de um paradigma?

Autores

  • Charles Morphy Dias Santos Universidade Federal do ABC; Centro de Ciências Naturais e Humanas
  • Bruna Klassa Universidade Federal do ABC; Centro de Ciências Naturais e Humanas

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-31662012000300008

Palavras-chave:

Kuhn, Hennig, Paradigma, Taxonomia evolutiva, Sistemática filogenética

Resumo

A sistemática filogenética, método de reconstrução de árvores evolutivas criado por Willi Hennig em 1955 e ampliado em 1966, é frequentemente considerada um novo paradigma que revolucionou as classificações biológicas quando comparado às escolas de sistemática anteriores, como a taxonomia evolutiva. Tal abordagem da história da sistemática é baseada principalmente na visão de Kuhn sobre o progresso do conhecimento científico. No entanto, podemos questionar a validade desse status revolucionário - na visão kuhniana - atribuído à filogenética hennigiana. Aqui, discutimos os atributos compartilhados pela sistemática filogenética e taxonomia evolutiva, ambas profundamente relacionadas à teoria evolutiva de Darwin-Wallace, e porque o método de Hennig é de fato um desenvolvimento da proposta para as classificações biológicas de Mayr e Simpson, explícita na teoria sintética da evolução dos anos 1930 e 1940. Nesse sentido, elas ajustam-se à visão popperiana de "seleção natural" das hipóteses científicas. Mais ainda, a sistemática filogenética é um método científico robusto e objetivo, características que lhe permitem "sobreviver" na luta pela existência com outras escolas de sistemática.

Downloads

Publicado

2012-01-01

Como Citar

Santos, C. M. D., & Klassa, B. (2012). Sistemática filogenética hennigiana: revolução ou mudança no interior de um paradigma?. Scientiae Studia, 10(3), 593-612. https://doi.org/10.1590/S1678-31662012000300008

Edição

Seção

Artigos