[1]
V. Safatle, “ Uma certa latitude: Georges Canguilhem, biopolítica e vida como errância” , Sci. stud., vol. 13, nº 2, p. 335-367, jun. 2015.