Considerações sobre infância/velhice, memória/linguagem, a partir do conto “Nenhum, nenhuma”, de João Guimarães Rosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2018.145978

Palavras-chave:

infância, velhice, memória, linguagem, inspiração.

Resumo

Por meio deste ensaio pretende-se realizar um exercício de leitura do conto “Nenhum, Nenhuma”, de João Guimarães Rosa, para verificar em que medida a memória é utilizada não apenas para recuperar um episódio específico ocorrido no passado, mas, sobretudo, assinalar a importância do papel da reminiscência como elemento deflagrador da inspiração. Tendo em vista uma estrutura circular, onde infância e linguagem parecem remeter uma à outra, cabe também investigar a relação entre velhice/infância na constituição desta estória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Schtine Viana, Universidade Nova de Lisboa

Doutoranda do Departamento de Estudos Portugueses da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Culturas e Identidades Brasileiras pelo Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (USP) e Bacharel em Letras (Português/Francês) pela FFLCH (USP). 

Downloads

Publicado

2018-12-13

Como Citar

Viana, M. S. (2018). Considerações sobre infância/velhice, memória/linguagem, a partir do conto “Nenhum, nenhuma”, de João Guimarães Rosa. Teresa, 1(19), 169-179. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2018.145978

Edição

Seção

Artigos