O Papel das Didascálias no Trabalho de Tradução de Les Cenci, de Artaud

Autores

  • Rodrigo Ielpo Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v38p46-60

Palavras-chave:

Artaud, Les Cenci, Teatro, Crueldade, Tradução

Resumo

Ao propor uma análise comparativa entre “Teatro oriental e teatro ocidental” em O teatro e seu duplo (1993), Artaud expõe sua conhecida crítica em relação à submissão do espetáculo ao texto dramático. Segundo Artaud, a tradição ocidental faria do teatro um “simples reflexo material do texto”, tornando problemática a própria separação do “teatro da ideia de texto realizado.” Condicionada por esse tipo de afirmação é que Les Cenci (2011), escrita por Artaud e encenada pela primeira vez em 1935 sob sua direção, causaria certo incômodo entre parte dos seus admiradores. Para estes, haveria uma contradição entre as posições teóricas do autor e a proposta cênica de um espetáculo que, no final das contas, orbitaria em torno de um texto. Problematizando esse tipo de recepção, num prefácio escrito para a peça, Michel Corvin (2011) chama atenção para a relevância que as indicações cênicas teriam na obra, subvertendo a importância das didascálias em relação ao conjunto de réplicas. Funcionando como uma partitura visando abrir o texto para sua dimensão propriamente teatral, essas informações acabariam por deslocá-lo de sua pretensa centralidade. O objetivo dessa comunicação é refletir sobre o papel dessas rubricas no trabalho de tradução de Les Cenci, procurando entender em que medida elas permitiriam operar uma prática tradutória que levasse em consideração as especificidades da teatralidade que já estaria presente no próprio suporte escrito da peça.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Ielpo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor de Língua e Literatura Francesa do Departamento de Letras Neolatinas da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ARTAUD, A. Les Cenci. Paris: Gallimard, 2011.

ARTAUD, A. O teatro e seu duplo. Tradução de Monica Stahel e Teixeira Coelho. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ARTAUD, A. Antonin Artaud: œuvres. Paris: Gallimard, collection Quarto, 2004.

ARTAUD, A. “Carta de Antonin Artaud a Jean-Louis Barrault”. In.: GUINSBURG,J.et al (orgs.). Linguagem e vida:Antonin Artaud. São Paulo: Perspectiva, 1995, p.125-126.

ARTAUD, A. Œuvres Complètes V. Paris: Gallimard, 1964.

BARTHES, R. “Littérature et Signification”.In: Œuvres Complètes II. 2002, p.508-525.

BLANCHOT, M. O livro por vir. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CAMPOS,A. Rimbaud Livre. São Paulo: Perspectiva, 2002.

CORVIN,M. “Préface”. In.:ARTAUD, A.Les Cenci. Paris: Gallimard, 2011, p.7-44.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença.Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FELÍCIO, V.L. A procura da lucidez em Artaud. São Paulo: Perspectiva / FAPESP, 1996.

IELPO, R. “A Tradução do Texto Teatral: Performances de uma Poética”. Revista da Anpoll, Florianópolis, nº 44, jan/abril, 2018, p. 41-50.

LEROBERT. Dico en Ligne. Paris: Le Robert, 2020. Disponível em: <https://dictionnaire.lerobert.com/>. Acesso 12 jan. 2021.

PAVIS, P. Dicionário de teatro.Tradução de Jacó Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RAMOS, F.L. O parto de Godot e outras encenações imaginárias. São Paulo: HUCITEC / FAPESP, 1999.

SONTAG, S. “Abordando Artaud”. In.: SONTAG, S. Sob o signo de saturno. Porto Alegre: L&PM, 1986, p.15-57.

UBERSFELD, A. Para ler o teatro. Tradução de José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2005.

VIRMAUX, A. Artaud e o teatro. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes Moura. São Paulo: Perspectiva, 2009.

WILLER, C. “Nota Biográfica”. In.: WILLER, C. (Org.) Escritos de AntoninArtaud. PortoAlegre:L&PM, 1983.

Downloads

Publicado

2021-02-23

Como Citar

Ielpo, R. (2021). O Papel das Didascálias no Trabalho de Tradução de Les Cenci, de Artaud. Tradterm, 38, 46-60. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v38p46-60

Edição

Seção

Número Especial III JOTA