Tradução Poética e Representatividade LGBTQIA: Elizabeth Bishop por Paulo Henriques Britto

  • Alexandre Carlos da Cruz Universidade Nove de Julho
Palavras-chave: Tradução poética, Representatividade LGBTQIA, Elizabeth Bishop, Poesia

Resumo

este artigo tem como objetivo refletir sobre a representatividade LGBTQIA na poesia traduzida no Brasil e com isso entender qual a contribuição do(a) tradutor(a) neste processo. Para isso, escolhemos analisar as traduções feitas pelo tradutor brasileiro Paulo Henriques Britto para dois poemas da poeta norte-americana Elizabeth Bishop que apresentam teor homoafetivo. Em Banho de Xampu, a poeta apresenta uma narrativa escrita no início de seu relacionamento amoroso com a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares; já É Maravilhoso Despertar Juntas é um dos mais significativos poemas escritos por Bishop em se tratando de conteúdo explicitamente homoafetivo. Para alcançar o objetivo deste artigo, fizemos um levantamento de aspectos biográficos da poeta norte-americana para assim entender primeiro em que contexto histórico e social se insere sua obra e depois tentar compreender qual a relação da própria Elizabeth Bishop com sua condição de mulher e lésbica. Em seguida foi proposta uma análise de conteúdo apoiada tanto nos conceitos de correspondência de Paulo Henriques Britto, quanto nos estudos de Myriam Díaz-Diocaretz sobre o papel do(a) tradutor(a) ao traduzir poemas que contenham discursos poéticos lésbico e/ou feministas. Com isso, foi possível refletir sobre a tradução poética a partir de um prisma que a coloca como instrumento de desenvolvimento social dentro da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Carlos da Cruz, Universidade Nove de Julho

Bacharel pela Universidade Nove de Julho, curso Tradutor e Intérprete. Ator formado pela Escola de Arte Dramática-ECA-USP. Orientadora da pesquisa: Professora Ms. Lucia Maria dos Santos.

Referências

BISHOP, E.; BRITTO, P. H. Poemas Escolhidos de Elizabeth Bishop. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BRITTO, P. H. A Tradução Literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

BRITTO, P. H. Tradução e Criação. Cadernos de Tradução (UFSC) IV, 1999. Disponível em: <http://www.letras.puc-rio.br/br/docente/17/paulo-henriques-britto>. Acesso em: 25 jun. 2020.

BRITTO, P. H. A Reconstrução da Forma na Tradução de Poesia. Cadernos de Letras (UFRJ), 2010. Disponível em: <http://www.letras.puc-rio.br/br/docente/17/paulo-henriques-britto>. Acesso em: 25 jun. 2020.

BRITTO, P. H. Correspondência Formal e Funcional em Tradução Poética. Sob o signo de Babel: literatura e poéticas da tradução. 1ed.Vitória: PPGL/MEL / Flor&Cultura, 2006. Disponível em: <http://www.letras.puc-rio.br/br/docente/17/paulo-henriques-britto>. Acesso em: 29 abr. 2019.

DÍAZ-DIOCARETZ, M. Translating Poetic Discourse: Questions on Feminist Strategies in Adrienne Rich. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company,1985.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. FAQ on Health and Sexual Diversity - An Introduction to Key Concepts. Geneva: World Health Organization; Disponível em: <https://www.who.int/gender-equity-rights/news/20170329-health-and-sexual-diversity-faq.pdf>. Acesso em: 02 maio 2019.

GOLDENSOHN, L. Elizabeth Bishop: the biography of a poet. New York: Columbia University Press, 1992.

GOMES, M. Um Estudo de Caso Sobre Representatividade LGBT+ em Sense8. Disponível em: <http://biblioteca.univap.br/dados/000035/0000350e.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2019.

LARANJEIRA, M. Poética da Tradução. São Paulo: Edusp, 1993.

MARSHALL, M. Elizabeth Bishop – A Miracle for Breakfast. Boston: Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company, 2017.

MINAYO, M. C. de L. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 19. Petrópolis: Vozes, 2001.

OLIVEIRA, F. C. R. Poéticas da Tradução e Identidades:

Paulo Henriques Britto tradutor de Elizabeth Bishop. Disponível em: <http://w2.files.scire.net.br/atrio/unigranrio-ppglch_upl//THESIS/26/dissertacao_poeticas_da_traduo_e_identidade_paulo_henriques_britto_tradutor_de_elizabeth_bishop.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2019.

PYM, A. Explorando Teorias da Tradução. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SILVA, T. B. O Não-Lugar em Elizabeth Bishop: marcas do exílio queer em um EU vacante. Disponível em: <http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2013_1434460537.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2019.

VENTURI, G.; BOKANY, V. Diversidade e Sexual e Homofobia no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
Cruz, A. (2020). Tradução Poética e Representatividade LGBTQIA: Elizabeth Bishop por Paulo Henriques Britto. Tradterm, 35, 138-163. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v35i0p138-163
Seção
Artigos