Tradução sonora: perspectivas fonéticas na tradução e o caso Humpty Dumpty

Autores

  • Monique Pfau Universidade Federal da Bahia
  • Fernanda da Silva Góis Costa Universidade Federal da Bahia
  • Marília Portela Universidade Federal da Bahia
  • Marília Santana Universidade Federal da Bahia
  • Nathalia Amaya Borges Universidade Federal da Bahia
  • Simone Salles Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v41p30-52

Palavras-chave:

Tradução sonora, Texto poético, Humpty Dumpty

Resumo

Este artigo apresenta um breve estudo bibliográfico e um experimento comentado sobre tradução sonora, tema ainda pouco discutido nos Estudos da Tradução no Brasil. A tradução sonora, observada em alguns poemas e músicas, está fortemente embasada na busca pela repetição ou adaptação da acústica do texto-fonte, levando ou não em consideração outros sistemas linguísticos, como o semântico e o léxico. O referencial teórico sobre conceitos, críticas e exemplos que circundam o tema (Catford, 1965; Venuti, 1995; Pishchikov, 2016; Dembeck, 2015; Hilson, 2013; etc.) evidencia o valor literário da tradução sonora que, apesar de não haver um reconhecimento unânime da tradução sonora ser de fato uma tradução, apresenta-se aqui estudos que mostram discussões a partir de um caráter político e cultural que a reconhecem como legítima. O experimento de tradução foi inspirado na tradução sonora da canção inglesa Humpty Dumpty (1797), de Mother Goose, para o francês, por Van Rooten. Essa tradução é bastante polêmica entre os/as pesquisadores/as por ser um caso extremo de tradução sonora, gerando um texto desprovido de significado. A tradução puramente sonora da canção inglesa para o português brasileiro forneceu meios para observar os diversos sistemas acústicos levantados na seção teórica e as limitações das possibilidades da língua-alvo em repetir alguns sons da língua-fonte. A partir deste estudo, defende-se que a tradução sonora coloca em evidência a fonética como elemento identitário da cultura-fonte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Pfau, Universidade Federal da Bahia

Professora de Letras da Universidade Federal da Bahia, orientadora de tradutores/as em formação pelo NUPEL/ILUFBA e líder do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução.

Fernanda da Silva Góis Costa, Universidade Federal da Bahia

Licenciada e Bacharelaem Letras Inglês, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Língua e Culturapela Universidade Federal da Bahia e pesquisadora do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução.

Marília Portela, Universidade Federal da Bahia

Bacharela em Letras Inglês pela Universidade Federal da Bahia, foi tradutora em formação pelo NUPEL/ILUFBA, pesquisadora do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução.

Marília Santana, Universidade Federal da Bahia

Licenciada em Letras Inglês pela Universidade Federal da Bahia, pesquisadora do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução Universidade Federal da Bahia.

Nathalia Amaya Borges, Universidade Federal da Bahia

Graduanda em Letras Inglês pela Universidade Federal da Bahia, foi tradutora em formação pelo NUPEL/ILUFBA e pesquisadora do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução Universidade Federal da Bahia.

Simone Salles, Universidade Federal da Bahia

Graduanda em Letras Inglês pela Universidade Federal da Bahia e pesquisadora do grupo de pesquisa Textos Fundamentais em Tradução Universidade Federal da Bahia.

Referências

BERNSTEIN, Charles. Doubletalking the Homophonic Sublime. Comedy, Appropriation, and the Sounds of One Hand Clapping. Editions des archives contemporaines, França, 2019, pp.15-52.

BLY, Robert. The eight stages of translation. The Kenyon Review, 1982.

Britto, Paulo Henriques. Para uma avaliação mais objetiva das traduções de poesia. Krause, Gustavo B. As margens da tradução. Rio de Janeiro: Faperj/Caetés/UERJ, 2002.

BONVICINO, Régis R. Ossos de borboleta: butterfly bones. Editora 34, São Paulo, 1996.

BONVICINO, R. Me Transformo. Sibila, 2010. Disponível em <http://sibila.com.br/poemas/me-transformo/3978> Acesso em 24 jan. 2021.

CATFORD, John Cunnison. A Linguistic Theory of Translation: An Essay in Applied Linguistics (Languages and Language Learning 8). Oxford, Oxford University Press, 1965.

CHESTERMAN, Andrew. Memes of Translation - the spread of ideas in translation theory. John Benjamins, Amsterdam, 2016.

EHRENHAUS, Andrés. Does Homophonic Translation Belong in the Publishing Industry?. Editions des archives contemporaines, França, 2019, pp.303-310.

DEMBECK, Till. Oberflächenübersetzung: The Poetics and Cultural Politics of Homophonic Translation. Critical Multilingualism Studies, 2015, pp.7-25.

EOYANG, Eugene Chen. “Borrowed Plumage”: Polemical Essays on Translation. Amsterdam e Nova York: Rodopi, 2003.

GENETTE, Gérard. Palimpsests: Literature in the second degree. Lincoln e London: University of Nebraska Press, 1997 [1982].

HILSON, Jeff. Homophonic Translation: Sense and Sound. In: MINORS, Helen Julia. Music, Text and Translation. Bloomsbury Advances in Translation. London: Bloomsbury Academic, 2013, pp.95–106.

HORA, Dermeval da. Fonética e Fonologia. In: ALDRIGUE, Ana Cristina de Sousa; FARIA, Evangelina Maria Brito de. Linguagens: usos e reflexões. vol. 2. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2008.

LEVICK, Tiffane. Translating homophonic wordplay in Patrick Goujon’s Moi non. A case study. Editions des archives contemporaines, França, 2019, pp.319-326.

LODGE, Ken. Phonological translation and phonetic repertoire. International Journal of Applied Linguistics, 2003, pp.263-276.

MEINBERG, Adriana Fiuza. Tradução e música: versões cantáveis de canções populares. 2015, 98 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, São Paulo, 2015.

PILSHCHIKOV, Igor. The semiotics of phonetic translation. Studia Metrica et Poetica, 2016, pp.53-104.

ROCHA, Natanael Ferreira França. Relações e inter-relações de aspectos multimodais em tradução de canção: proposta de um modelo de análise. 2018. 300 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

SILVA, T.C. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2003.

STEINER, George. After Babel: Aspects of Language and Translation. Oxford: Oxford University Press, 1998 [1975].

VENUTI, Lawrence: The Translator’s Invisibility: A history of Translation. Londres e Nova York: Routledge, 1995.

Downloads

Publicado

2022-02-10

Como Citar

Pfau, M., Costa, F. da S. G. ., Portela, M., Santana, M., Borges, N. A. ., & Salles, S. (2022). Tradução sonora: perspectivas fonéticas na tradução e o caso Humpty Dumpty . Tradterm, 41, 30-52. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v41p30-52

Edição

Seção

Artigos