Tradução (e retradução) ética bermaniana, um debate que persiste

Autores

  • Marcelo Rondinelli Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v41p53-76

Palavras-chave:

Antoine Berman, Retradução literária, Ética

Resumo

Entre as valiosas contribuições do tradutor e teórico Antoine Berman (1942-1991) para os Estudos da Tradução — a julgar pelos desdobramentos de discussões que já duram três décadas — está, sem dúvida, o ensaio “La retraduction comme espace de la traduction” (1990). A vivacidade no debate desencadeado pelas concepções ali expostas se comprova em diversos pesquisadores, numa extensa trajetória. Publicam-se, entre os primeiros anos após o ensaio e a segunda década do séc. XXI, além de numerosos artigos em periódicos de relevo, volumes inteiros voltados à discussão do fenômeno da retradução literária estabelecendo em algum momento, quase invariavelmente, relação com ideias daquele ensaio seminal. Nem sempre remetem precisamente à concepção bermaniana de ética; é certo, porém — como se visa a demonstrar aqui —, que em muitos casos ela está subjacente e instiga novos desdobramentos teóricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Rondinelli, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto na Faculdade de Letras/UFMG, PósLit-Programa dePós-Graduação em Letras: EstudosLiterários.

Referências

AMARAL, Victor A. Broadening the notion of retranslation. In: Cadernos de Tradução, v. 39, n. 1, Florianópolis, 2018. p. 239-259.

BERMAN, Antoine. L’épreuve de l'étranger. Culture et traduction dans l’Allemagne romantique: Herder, Goethe, Schlegel, Novalis, Humboldt, Schleiermacher, Hölderlin. Gallimard, Paris, 1984. Edição brasileira: A prova do estrangeiro. Trad. Maria E. P. Chanut. Bauru: Edusc, 2002.

BERMAN, Antoine. La retraduction comme espace de la traduction. In: Palimpsestes, n. 4, 1990. p. 1-6. Há tradução brasileira, “A retradução como espaço da tradução”, por Clarissa P. Marini e Marie-Hélène C. Torres. In: Cadernos de Tradução, v. 37, n. 2. 2017.

BERMAN, Antoine. La traduction et la lettre ou L’auberge du lointain. 1991. Edição brasileira: A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Trad. M.-H. C. Torres, M. Furlan, A. Guerini. Tubarão: Copiart; Florianópolis: UFSC, 2013.

BERMAN, Antoine. Pour une critique des traductions: John Donne. Paris: Gallimard, 1994.

BRISSET, Annie. Retraduire ou le corps changeant de la connaissance - Sur l’historicité de la traduction. In: Palimpsestes, 15, 2004. p. 39-67.

BROWNLIE, Siobhan. Narrative Theory and Retranslation Theory. In: Across Languages and Cultures 7 (2), Budapest, 2006. p. 145-170.

CARDOZO, Mauricio M. Vida e envelhecimento da obra literária e da obra literária em tradução. In: Revista da Anpoll, v. 1, nº 44, Florianópolis, jan./abr. 2018. p. 14-24.

COLLOMBAT, Isabelle. Le XXIe siècle: L’âge de la retraduction. In: Translation Studies in the New Millennium, vol. 2, 2004. pp. 1-15.

CHESTERMAN, Andrew. A causal model for Translation Studies. [2000] In: Reflections on Translation Theory — Selected papers 1993-2014. Amsterdam/Philadelphia: Benjamins, 2017. p. 123-135.

CHESTERMAN, Andrew. Beyond the Particular. [2004] In: Reflections on Translation Theory — Selected papers 1993-2014. Amsterdam/Philadelphia: Benjamins, 2017. p. 253-267.

DESMIDT, Isabelle. (Re)translation revisited. In: Translation Studies in the New Millenium — An International Journal of Translation and Interpreting, vol. 2, Ankara/Bilkent, 2009. p. 669-683.

GAMBIER, Yves. La retraduction, retour et détour. In: Meta: journal des traducteurs, vol. 39, 1994. p. 413-417.

GAMBIER, Yves. La retraduction: Ambigüités et défis. In: MONTI, E. e SCHNYDER, P. (Org.) Autour de la retraduction. Paris: Orizon, 2011. p. 49-66.

GODARD, Barbara. L’éthique du traduire: Antoine Berman et la virage éthique en traduction. In: Traduction, Términologie, Rédaction, 14 (2). Québec/Laval, 2003. p. 49-82.

GUILBERT, Louis et al. (Org.). Grand Larousse de la Langue Française. 7 vols. Paris: Larousse, 1989.

HÖFFE, Otfried. Ethik — Eine Einführung. München: C.H. Beck, 2013.

LADMIRAL, Jean-René. Nous autres traductions, nous savont maintenant que nous sommes mortelles. In: MONTI, E. e SCHNYDER, P. (Org.) Autour de la retraduction. Paris: Orizon, 2011. p. 29-48.

OLIVEIRA, Paulo. Tradução & ética. In: AMORIM, Lauro; RODRIGUES, Cristina C.; STUPIELLO, Érika N. de A. (Orgs.) Tradução & Perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Editora UNESP Digital, 2015. p. 71-97.

PETRY, Simone. A retradução e o princípio da abundância. In: Tradução em Revista, vol. 19, n. 2, Rio de Janeiro, 2015. p. 166-180.

TOURY, Gideon. Being a norm-governated activity. In: Descriptive Translation Studies – and beyond, cap. 3. 2ª. Ed. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2012. p. 61-77.

TYMOCZKO, Maria. Enlarging translation, enpowering translators. London/New York: Routledge, 2010.

VENUTI, Lawrence. Retranslations — The creation of value [2004]. In: Translation changes everything. London/New York, 2013. p. 96-108.

Downloads

Publicado

2022-02-14

Como Citar

Rondinelli, M. (2022). Tradução (e retradução) ética bermaniana, um debate que persiste. Tradterm, 41, 53-76. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v41p53-76

Edição

Seção

Artigos