Fernando Pessoa e a musicalidade refletida na tradução de “Annabel Lee”

  • Francisco Francimar de Sousa Alves
Palavras-chave: Fernando Pessoa, Edgar Allan Poe, tradução, poesia, musicalidade, “Annabel Lee”

Resumo

O escritor português Fernando Pessoa traduziu poemas do contista, ensaísta e poeta norte-americano, Edgar Allan Poe. Não é difícil encontrar entre Poe e Pessoa compatibilidades no que concerne ao fazer poético, considerando que ambos costumavam “jogar” com os sons das suas línguas de origem. Pessoa, o poeta-tradutor, tinha como teoria a preservação da forma do texto estrangeiro, seus materiais estilísticos. Sua grande “obsessão” era tentar manter a estrutura do poema original, seu ritmo, sua musicalidade, sua essência. Partindo do seu princípio básico, que se fundamenta na busca da equivalência rítmico-melódica entre original e texto traduzido, este artigo apresenta uma análise da tradução do poema “Annabel Lee”, de Poe, vertida por Fernando Pessoa, levando-se em consideração, principalmente, o seu aspecto rítmico-sonoro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Francimar de Sousa Alves

Possui graduação em Letras – Português/Inglês pela Universidade Estadual da Paraíba/UEPB, mestrado em Letras/Inglês pela Universidade Federal da Paraíba/UFPB, e é professor da área de Língua Inglesa na Universidade Federal de Campina Grande/UFCG, Campus de Cajazeiras, onde ingressou em julho/2002. Cursa Doutorado em Estudos da Tradução – DINTER-UFSC/UFPB/UFCG, desde agosto/2010.

Publicado
2013-12-17
Como Citar
Alves, F. (2013). Fernando Pessoa e a musicalidade refletida na tradução de “Annabel Lee”. Tradterm, 22, 107-122. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2013.69121
Seção
Artigos