De Francisca a Chiquinha: o pioneirismo insuspeito de Chiquinha Gonzaga

  • Rafael do Nascimento Cesar Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) - Departamento de Antropologia
Palavras-chave: Chiquinha Gonzaga, Biografia, Sociologia da cultura, Gênero

Resumo

Este artigo toma a trajetória da compositora brasileira Chiquinha Gonzaga (1847-1935) com o objetivo de analisar o processo de construção social de seu renome a partir das inflexões de gênero presentes no campo da produção cultural carioca nas primeiras décadas do século XX. A tentativa de circunscrever a rede de relações sociais na qual ela se inseria – dando especial atenção à constituição de seu arquivo pessoal e à confecção de sua primeira biografia pela folclorista Mariza Lira (1899-1971) – é amparada por uma perspectiva socioantropológica que vê na história de vida da compositora o resultado de um projeto coletivo no qual interesses diversos são negociados e materializados em uma narrativa específica. Nesse sentido, tanto o nome Chiquinha Gonzaga quanto seu adjetivo “pioneira” podem ser repensados à luz dessa complexa dinâmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael do Nascimento Cesar, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) - Departamento de Antropologia

Doutorando em antropologia social na UNICAMP

Publicado
2018-04-26
Como Citar
Cesar, R. (2018). De Francisca a Chiquinha: o pioneirismo insuspeito de Chiquinha Gonzaga. Tempo Social, 30(1), 305-324. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.114894
Seção
Artigos