Relações perigosas: o imaginário freyriano no discurso governamental

Autores

  • Aécio Amaral Jr. UFPB; CCHLA; Departamento de Ciências Sociais

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702002000200009

Palavras-chave:

Gilberto Freyre, conhecimento sociológico, discurso governamental, cultura política, regionalismo

Resumo

Este ensaio enfoca os imbricamentos entre produção do conhecimento e poder instituído, abordando situações concretas em que interpretações sociológicas servem como instrumento legitimador de demandas hegemônicas. O objeto de análise é o modo como as análises de Gilberto Freyre acerca da identidade cultural nordestina são apropriadas na articulação discursiva da regionalização do espaço político brasileiro. Isto é feito mediante um cotejo entre as obras freyrianas enaltecedoras da identidade cultural nordestina e os discursos proferidos pelos governadores pernambucanos no período entre 1983 e 1998. Nestes discursos, há uma disputa pela interpretação das obras freyrianas, que constituem narrativas com status científico que legitimam os discursos governamentais. Ao final, constata-se que o uso de categorias freyrianas na análise do campo político atual impede a apreciação de um conjunto de demandas identitárias e de poder surgido na esfera pública desde a redemocratização, agindo como elemento velador do conflito social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2002-10-01

Como Citar

Amaral Jr., A. (2002). Relações perigosas: o imaginário freyriano no discurso governamental . Tempo Social, 14(2), 163-186. https://doi.org/10.1590/S0103-20702002000200009

Edição

Seção

Artigos