Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960

  • Marcelo Ridenti
Palavras-chave: Cultura e política, Intelectualidade brasileira, Rebeldia e revolução, Estrutura de sentimento, Romantismo revolucionário

Resumo

O artigo trata da trajetória de intelectuais brasileiros considerados de esquerda, especialmente os artistas, a partir dos anos de 1960. Desenvolve-se a hipótese da existência de uma "estrutura de sentimento" da brasilidade revolucionária, forte até 1968, em resposta a mudanças na organização social, e de como ela tendeu a desestruturar-se quando a sociedade seguiu em outra direção. As obras dos artistas que compartilhavam dessa estrutura de sentimento eram diferenciadas e não havia total identidade entre eles, às vezes rivais entre si. O processo de modernização conservadora da sociedade viria a institucionalizar profissionalmente o meio artístico e intelectual, afastando-o do compromisso com as causas críticas da ordem. Esgotaram-se as coordenadas históricas em que frutificou certa estrutura de sentimento que, não raro, converteu-se em ideologia legitimadora da indústria cultural brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2005-06-01
Como Citar
Ridenti, M. (2005). Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960 . Tempo Social, 17(1), 81-110. https://doi.org/10.1590/S0103-20702005000100004
Seção
Dossiê/História Social da Cultura (América Latina)